Payday loans uk
  1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

LIBERTAR A CRIANÇA PELA ARTE

PDF Imprimir E-mail

Izabel Sadalla Grispino *

O professor Divo Marino, escritor eclético, versátil, de variada cultura, presenteou-me, recentemente, com dois livros de sua autoria. Um, da área educacional, cujo título fala por si, “Libertar a criança pela arte”, outro, de cunho bem diferente: “Orquídeas para Lincoln Gordon” (depoimento sobre o golpe de 64).

Neste livro, Divo, com comovida surpresa para mim, premiou-me com essa dedicatória: “Para a colega de Magistério e do jornal “A Cidade”, professora Izabel Sadalla Grispino, ofereço o “Orquídeas para Lincoln Gordon”, como homenagem pelo seu trabalho de educadora”. Uma homenagem vinda de Divo Marino é ponto acrescido na realização profissional!

Na obra “Libertar a criança pela arte”, Divo mostra-se um grande estudioso, um pesquisador penetrante, um especialista em arte. O livro traz um embasamento teórico e prático de alto alcance para educadores e para todos os que se interessam por arte. Preconiza a arte livre, espontânea, capaz de revelar a criança, a arte como meio de expressão, como meio para a criança exteriorizar suas idéias, seus sentimentos, suas percepções.

O livro foi lançado em 1960 e os conceitos sobre arte, sobre sua metodologia de trabalho, sobre a noção de criança, que transmite, são absolutamente atuais. Lendo o livro pude sentir o quanto a preocupação da escola, no encaminhamento do ensino da arte, encontra respostas no livro. Nessa época havia  já todo um movimento de educadores – não podendo esquecer Anísio Teixeira, um dos que se manifestaram com louvor ao livro – tentando implantar as idéias da escola nova, com seus princípios psicopedagógicos, que culminaram na escola de hoje. Contudo, a passagem da metodologia renovada, aos educadores, deu-se de maneira lenta e parcial. Mas, Divo absorveu-a em sua integralidade e com competência passou orientações às escolas.

Ao publicar o livro “Libertar a criança pela arte”, ele foi considerado, pela crítica especializada, um pioneiro no gênero, no País, um vanguardista, um criador de mentalidade nova na educação da arte da criança.

O livro trata da arte, em seus variados aspectos e conceitos, em riqueza de informação. Deixa claro a importância do desenho espontâneo, da importância de se cultivá-lo como forma de expressão da personalidade e como colaborador da socialização. Vivemos, presentemente, uma crise de expressão, as crianças, os jovens se expressando mal, tendo dificuldade de liberar os seus sentimentos e a arte, iniciada já na infância, o desenho infantil, são mecanismos eficazes para a criação de perspectivas, de formas novas e diferentes de expressão, de comunicação. O autor estuda a arte desde as suas origens, sua história, sua evolução através dos tempos, sempre no enfoque da arte infantil. Analisa-a sobe a ótica da psicologia, da metodologia libertadora, reveladora de aptidões, de potencialidades. No livro, quando Divo trata da escolha da cor, da busca da harmonia, ele assim se expressa: “As preferências para determinadas cores, tendo origem no subconsciente, nas associações psicológicas, nos temperamentos, não têm relação com o problema estético das cores”. Essas preferências revelam o indivíduo.

Deparamo-nos no livro com o conceito de criança concebido através dos tempos. A criança era tida como um adulto em miniatura: “É recente, na chamada civilização, a valorização da criança, como ser diferente do adulto”. “A criança tem necessidades suas, próprias e uma mentalidade relacionada a tais necessidades “ (Rousseau). Explana as fases específicas do desenvolvimento mental da criança.

A arte infantil demorou a ser entendida pelo adulto, que via nela uma atividade menor, uma atividade nula. O importante, na conceituação da época, era estudar apenas as matérias básicas do currículo, como geografia, história, matemática e letras. Nas escolas, os professores obrigavam as crianças a copiarem os desenhos, roubando-

lhes a criatividade, o estímulo à iniciativa, à livre expressão. Ainda hoje encontramos professores que se regem por este comportamento! “A arte, ensina-nos o livro, na idade da pedra, era exercício espontâneo de uma faculdade inata. A arte, na criança, também é prática livre, intuitiva, de uma disposição existente de maneira inata”. A arte

 

infantil é relacionada à arte dos primitivos. “As crianças não apresentam disposições para o desenho como cópia do natural. Não a reproduzem, criam a obra artística, baseadas na realidade mental, não no realismo visível, concreto, extraído da própria natureza”.

O livro mostra as influências que ocorrem sobre a arte e traça pontos de ligação entre sexualidade e desenho infantil.

A valorização estética e psicológica do desenho infantil veio bem mais tarde, no século XIX, com o professor Cizek, de Viena, relata-nos o autor. A partir de então, o educador passou a entender a relação existente entre  a linguagem e o desenho, a entender que a criança prefere o desenho da imaginação ao desenho natural. A escola passou a reconhecer a prática da arte infantil como um processo de libertação da estética, e da auto-expressão da criança.

Passeando pelo livro, encontramos citações interessantes, quando, por exemplo, no capítulo sobre a “Origem das artes”, ele cita Darwin, que condiciona seu aparecimento ao instinto sexual, “relacionando a fecundação dos vegetais ao belo colorido das flores”, embora, essa concepção seja refutada pelos biologistas, que dizem: “O que atrai o inseto não é a beleza da flor; é o açúcar da mesma. Entre os animais, a força física é mais importante que os ornamentos”.

O livro é repleto de curiosidades, um denso tratado sobre arte, espaço onde o professor, o especialista em arte, encontrarão rico subsídio à sua ilustração.

O trecho final do livro, escolhido por Divo, reproduz o espírito da obra: cita Cizek, quando pede ao professor que deixe as crianças aprenderem por si mesmas. “Eu suplico aos professores que livrem as escolas do clássico “mestre-escola” e que estas sejam jardins, onde cresçam as flores como o jardim de Deus. O professor deve cobrir com asas seus discípulos, como um espírito invisível, e terá de estar sempre disposto a dar ânimos, mas nunca a forçar ou exercer pressão”.

Cizek afirmava, fala-nos Divo, que os melhores trabalhos infantis foram, na maioria inconteste das vezes, encontrados nas “classes” dos professores não especializados em estética, mas que tinham na alma o amor intenso às crianças”.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em junho/2002)