Payday loans uk
  1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

DIA DOS MORTOS

PDF Imprimir E-mail

Izabel Sadalla Grispino *

Engana-se quem pensa que os mortos não existem mais, que não mais pertencem a esse mundo. Eles continuam dirigindo nossos passos, indicando luzes no caminho, convivendo de perto com cada um de nós. Eles são o grande monumento que estruturou nossas vidas, o alicerce desse cabedal de conhecimentos que faz parte da existência humana. A cultura, por eles implantada e desenvolvida, regra e amplia nossos horizontes.

Quantas vezes ouvimos dizer: “Minha mãe dizia que...”; “Meu pai falava que...”; “Minha avó me ensinou que...”. Aprendemos, por exemplo, com a poetisa Gabriela Mistral, que para a criança – um ser em formação, fonte da vida – existe o hoje, o agora, para que lhe venha existir o amanhã. Não podemos abandoná-la, ela é a Pátria em seu futuro! Aprendemos com o nosso Rui Barbosa, como professores, o que significa plantar a couve para o dia de hoje, para o próximo amanhã, e o que significa plantar o carvalho para a posteridade, para a glória da Pátria, para o agasalho da humanidade!

As pessoas que amamos e que partiram continuam povoando nosso universo interior, são porto seguro nas encruzilhadas da estrada. Buscamos conforto e refrigério em suas lembranças, valemo-nos das experiências vividas, acariciamo-nos no calor advindo de seu amor. A passagem que tiveram pelo mundo nos ensina mais do que supomos. Aprendemos com seus erros e com seus acertos. Eles são, na verdade, o prolongamento, a reafirmação de nosso aprendizado, de nossos ideais, nossos sonhos de vida.

Os grandes inventores, cientistas, pensadores, poetas, músicos, deixaram exemplo de devotamento e exaltação à vida. Facilitaram, amenizaram, ensinaram, encantaram e adocicaram a existência.

Nossos antepassados, nossos avós, pais, irmãos, na labuta do dia-a-dia, deixaram imagem de força, de coragem, de muita fé na constituição da família. Ensinaram-nos como é importante participar da vida com responsabilidade, também, com alegria e prazer. Basta lembrar, pensar e concluir.

Os mortos e os vivos fazem parte de uma corrente, de um elo profundo, de uma estrutura que se perpetuam no tempo e no espaço. “Eles foram o que somos hoje, nós seremos amanhã o que são hoje”. Eles merecem nossa reverência!

Dia 5 de novembro marcou de tristeza minha família. Partiu para a mansão do além nosso querido José, um médico que amou muito a humanidade, deixou eternas lembranças. Esse irmão mora no mais profundo do coração, de recordações amadas, de acordes sonoros, pontilhados de oração. José nasceu num dia 12 de setembro, abençoado pelo esplendor de tardes primaveris, de poentes dourados, vivendo sob um céu, passando, no seu colorido, a idéia de Deus, do infinito. Para além do céu estrelado, existe a fonte da vida e do amor eterno.

 

ESPÍRITO DE LUZ

Quando desse mundo eu partir,

Não pensem que estarei morta,

Numa nova luz que há de vir,

Voarei nas asas da gaivota.

Quero a Deus falar,

Pedir-Lhe uma nova missão,

Com a dor me compactuar,

Espalhar, entre os mortais, compreensão.

Modificarei a visão do ser,

Farei de fantasia sua veste,

Deixarei o sonho prevalecer,

Sementes que lançarei no norte, sul, leste, oeste.

Abrandando os conflitos nos corações,

Ajudarei o homem a ser mais feliz,

A se ver em outra dimensão,

À simplicidade da vida pedir bis.

No inconsciente do saber acumulado,

Retornarei para iluminar a humanidade,

Fazendo da terra um mundo melhorado,

Caminhando de mãos dadas com a religiosidade.

A experiência que a vida me deu

Minha alma aprimorou,

A fé no homem, que dentro de mim não morreu,

Meu retorno ao mundo mortal profetizou.

Voltarei, nos meus versos, para a paz reascender,

Para a esperança nunca faltar,

Para no calor da união, o humano viver,

No amor, a vida se perpetuar.

Piedade terei para este mundo sem jeito,

Sentimento de injustiça

É o que mais impera nesse leito,

A imaturidade humana, a vaidade atiça!


* Supervisora de ensino aposentada.            
(Publicado em outubro/2004)