Payday loans uk
  1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

Artigos Educacionais

  • Previous
  • Next
  • Stop
  • Play

SISTEMA DE CICLOS E PROCESSO DE AVALIAÇÃO

Izabel Sadalla Grispino *

Tem-se, hoje, que o fracasso do aluno decorre da ausência de um equacionamento entre identidade cultural e itinerário educativo. A escola tradicional não se preocupava com a origem do aluno, com o seu meio de vida e mantinha uma relação de conteúdo autoritário, um critério de avaliação rígido, limitado. Agora, o professor tem que apostar na capacidade de ousadia, de invenção do aluno, apoiar-se em seu potencial, tornando a avaliação um ponto que não pode ser fechado.

Como na pedagogia do educador francês Freinet, a concepção é de que o aluno não vai à escola para tirar notas, vai para aprender, para crescer, para se desenvolver. A avaliação do aluno deve ser individual, apoiada em suas aptidões. Anísio Teixeira já pregava, nos anos idos de 50, o ensino individualizado e conseqüente avaliação individualizada; o aluno sendo avaliado de acordo com sua capacidade, ajudando a afastar a repetência.

No sistema de ciclos, adotado no Estado de São Paulo e em outros Estados, no ensino fundamental, o aluno não tem seu aproveitamento avaliado através de provas periódicas, com notas, que, totalizadas no final de cada ano letivo, determinariam sua promoção ou sua retenção. Não há mais o calendário oficial de provas, mas ele não exclui a avaliação do aproveitamento do aluno.

Segundo o que dispõe a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a avaliação deve ser feita no dia-a-dia da aprendizagem, utilizando-se das mais variadas formas: participação em aula, atitude do aluno frente a aprendizagem, freqüentes verificações e anotações da assimilação dos conteúdos... A avaliação deve incorporar, à educação formal, a experiência de vida trazida pelo aluno de seu universo familiar, social e de trabalho. As disciplinas devem estar integradas, ajustadas a um currículo flexível.

Avaliar é diagnosticar o desenvolvimento do aluno ao invés de julgar. A principal função do processo de avaliação não é dar uma nota, mas aperfeiçoar as situações da aprendizagem e do currículo como um todo. É verificar se o aluno está aprendendo, se a proposta pedagógica está dando resultado, se a aprendizagem está no caminho certo.

Conhecer as medidas educativas ajuda a entender o processo de avaliação e o melhor meio de contemplá-lo. Vejamos, sucintamente, sua evolução através dos tempos.

No passado, não tão distante, os professores tentavam julgar o desempenho do aluno em função do que eles próprios sabiam e do que julgavam ter transmitido. Se o aluno assimilasse tudo que fora ensinado, tiraria a nota máxima. As notas variavam de zero a 10 e se regulavam pelos acertos. Esse era o chamado método autocrático de avaliação e dava ao professor ampla margem de arbítrio. Na evolução do processo, passou-se a reagir contra a adoção de padrões apriorísticos de avaliações, especialmente pelo teor de subjetividade. Não competia ao professor estabelecer de antemão o que o aluno devia saber. Pelo arbítrio, um professor benevolente podia aprovar a todos e um professor rigoroso reprovar em massa. Contam-se casos de professores que só atribuíam nota máxima a quem soubesse tanto quanto ou até mais que ele. São os representantes de avaliação centrada no professor.

Avançando no processo, contra a avaliação autocrática, surgiu a avaliação normativa – baseada no grupo de alunos. A referência não era mais a sapiência do professor, mas o aproveitamento médio da classe. Se todos os alunos apresentassem rendimento baixo, não seria  justo reprovar a todos. Ter-se-ia que indagar as causas desse resultado. Passou-se a questionar o potencial dos educandos, as condições ambientais, condições de vida, deficiências das aulas, falta de confiabilidade das provas e outros, o que já era um grande avanço. A avaliação normativa permite saber em que posto de percentil se encontra determinado estudante, ou seja, a sua classificação no grupo.

A teoria clássica da medida surgiu do interesse em medir aptidões dos indivíduos. Buscaram-se medidas capazes de discriminar entre indivíduos dotados de maior aptidão. O grau de aptidão de cada um era estabelecido em função do grupo, através das provas de desempenho. Mas, em determinadas situações, o interesse do avaliador consistia em estabelecer se cada indivíduo alcançou um conjunto específico de objetivos. Neste caso, ele não seria comparado com seu grupo, mas referido a um critério (um padrão de desempenho previamente especificado).

Da medida centrada no professor, evolui-se para a medida normativa concebida como discriminatória dos diferentes indivíduos, chegando-se à medida baseada em critérios. Esta preocupa-se com a seqüência e individualização da instrução que surgem das unidades e módulos progressivos. Concluiu-se que a norma incentiva a rivalidade e compromete o autoconceito de alunos de baixo desempenho e passou-se a se preocupar com o rendimento mínimo.

Para a medida baseada em critério, uma vez estabelecidos os objetivos essenciais, em termos de comportamento, cumpre verificar se o  aluno  atingiu  as  metas prefixadas. Sua posição relativa ao grupo seria questão secundária. O aluno é avaliado por um conjunto específico de objetivos. Seus princípios são  usados em programas de instrução individualizada, instrução programada.

A avaliação baseada em critério é importante porque ressalta a necessidade de um rendimento mínimo. Exigência que requer o desenvolvimento das habilidades básicas essenciais, adquiridas antes das habilidades hierárquicas superiores.

Todas essas medidas educacionais são de importância e cada uma terá valor maior, dependendo do momento da aprendizagem e do objetivo a que se propõe. As várias abordagens não se excluem, antes se completam. Contudo, o professor, seja qual for a medida a tomar, não pode esquecer que a parte mais importante, em determinadas circunstâncias, é o potencial do aluno. O professor, conforme o momento, avalia o desempenho, as diferenças individuais, a classificação hierárquica e o potencial do aluno. Acima da norma ou do critério, o foco central da avaliação é o aluno em sua originalidade e unicidade. Propõe-se que na educação fundamental a aferição do conhecimento deve ser feita em função das aptidões da criança. Nesse grau de ensino, a posição do aluno em seu grupo, o grau de desempenho que atingiu não é tão importante. O fato de ter ele transformado em ato o seu potencial é que deve ser considerado. A visão pedagógica, em relação aos ciclos, é de que “se as virtualidades do aluno foram realizadas, deve ele ser promovido; seria inútil reprová-lo, tanto mais quando é certo que a educação é obrigatória até os 14 anos”

A norma, o critério e o potencial são componentes da avaliação, conforme as circunstâncias, um dos componentes reveste-se de maior relevância. A finalidade a que a aprendizagem se destina é que vai dizer, em cada caso, qual dessas medidas deve ter maior peso.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em julho/2001)

VIOLÊNCIA E FALTA DE QUALIDADE NAS ESCOLAS PÚBLICAS

Izabel Sadalla Grispino *

A escola brasileira apresenta deficiências acumuladas, precisa se dar conta dos desafios que deve enfrentar para uma aprendizagem de qualidade. Desafios que coloquem como prioridade um ensino que ofereça oportunidades a todas as classes sociais, buscando igualar os desníveis tão assinalados.

Violência e falta de qualidade são os dois maiores problemas enfrentados pela escola pública, preocupando sobremaneira os pais. A escola hoje oferece vagas a todos que a procuram e normalmente perto de casa. É, sem dúvida, um avanço, mas peca por seus métodos de ensino, incapazes de atingir a qualidade. A violência, ao lado da falta de um bom ensino, foi apontada como a maior preocupação dos pais, numa pesquisa feita pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas em Educação (Inep), em janeiro do corrente ano.

A pesquisa foi realizada em cinco capitais – Belém, Recife, Brasília, Rio de Janeiro e Curitiba – e serviu de base para uma outra mais abrangente, iniciada em janeiro. A pesquisa, com 10 grupos de discussão, mostrou que pais temem pelos filhos nos casos de violência e se mostram decepcionados quanto à qualidade de ensino. Cem pais, participantes dos grupos de discussão, foram unânimes nas respostas. As afirmativas serviram para o Instituto organizar novo questionário com o mesmo objetivo e enviar a 10 mil pais em todo o País, incluindo cidades do interior.

Talvez essa segunda pesquisa nem seria necessária, é evidente a necessidade de se melhorar o ensino e as condições de segurança das escolas de todo território nacional. As escolas, principalmente nas grandes cidades, apresentam-se como um local inseguro e com falta de disciplina. Os pais ressaltam, ainda na pesquisa, que os filhos não estão aprendendo.

Vários pontos tiveram resultados positivos: o fato de a escola ser pública e gratuita, de haver vagas para todos, da matrícula ser simples e o acesso fácil. A merenda escolar e a distribuição de livros didáticos também foram elogiadas.

A pesquisa mostrou, em contrapartida, que a grande maioria dos pais não entende os novos métodos de ensino, a formação de ciclos e questiona a aprovação, que ela chama de automática. Questiona o processo de avaliação continuada, uma avaliação sem provas, feita por meio de trabalhos e da participação em sala de aula. Um outro aspecto da pesquisa foi mostrar que os pais freqüentam pouco a escola, talvez, esta seja uma das razões do desconhecimento dos métodos adotados.

Essa deficiência escolar reflete profundamente na vida social e no mercado de trabalho. As empresas começam a perceber a importância de fortalecer o ensino de seus funcionários. Percebem que não adianta dar um treinamento técnico avançado, quando há problemas na base da educação. Com a exportação, as empresas notaram que a qualificação da mão-de-obra era um diferencial competitivo importante para ganhar mercado em países como EUA e Canadá. Passaram a investir na educação de seus funcionários, sabendo que estariam investindo nelas próprias.

Dados do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife) mostram que 81% das empresas investem no ensino fundamental. Investem na educação dos 7 aos 14 anos influenciados pela Constituição de 1988, pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) e pelas políticas educacionais dos últimos governos, que priorizam a educação nessa faixa de idade. As empresas tomam para si o desafio de erradicar o analfabetismo, ampliar o acesso ao sistema educacional e tornar possível o acesso às novas tecnologias, como a informática. Empenham-se a oferecer ensino fundamental para a população adulta – de jovens e adultos – eliminando barreiras à inclusão social. O mercado de hoje exige esse conhecimento mínimo.

DIA 27 DE ABRIL, DIA DE PÁSCOA

A Páscoa é uma festa cristã, que comemora a ressurreição de Cristo. É o princípio de uma nova vida, a redenção da humanidade. Desejo que nesse dia o mundo se encontre num grande abraço de paz, de renovação, apoiado nos ensinamentos de Cristo.

A Campanha da Fraternidade, deste ano, aborda o tema “Solidariedade e Paz”, com seu lema: “Felizes os que promovem a paz”. Em homenagem a essa Campanha, os meus versos abaixo:

ESCALADA DA FELICIDADE

Para a felicidade só há uma estrada,
Aquela que a dor alheia abraça,
Que engrossa as fileiras da justiça,
Enfraquece os ânimos da cobiça,
A humildade do espírito, sua mansidão,
Se encarregam dos benefícios que virão.

A felicidade é um se doar,
Orar ao se levantar e ao se deitar,
Impregnar-se do sentido da oração,
Aprendendo com ela a dividir o pão,
Ela está no extremo de uma estrada penosa,
Tendo que atravessar uma humanidade perniciosa!

A felicidade fica além dos pântanos encharcados,
Além da trilha de povos irados,
Só após conhecer a desgraça,
É que se chega ao estado de graça,
Persistindo em sua busca, a claridade avança,
Descobre-se que ela é a paz, a esperança!

 

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em abril/2007)

CRIANÇAS COM SOBRECARGA DE ATIVIDADES

Izabel Sadalla Grispino *

Recentemente, deparei-me, num jornal de língua espanhola, com um tema que julguei assaz interessante, oportuno, real e que, sob a minha ótica, comento com os meus prezados leitores.

Os jovens vivem num mundo que muda num ritmo acelerado, caracterizado por pressões sociais que os fazem crescer muito depressa. São pressionados a adaptar-se a padrões familiares instáveis, a assumir compromissos, a ingressar mais cedo nas universidades, a participar e a competir nos esportes, em destrezas especializadas. Enfrentam informações e programas  para adultos antes que tenham vencido os problemas próprios da idade.

Estas pressões impõem-lhes maiores responsabilidades, causam-lhes estresse, ao mesmo tempo que redefinem a essência mesma da infância, esclarece o psicólogo Joan Isemberg.

A criança e o adolescente, de hoje, participam de atividades extracurriculares cada vez mais numerosas e exigentes. São atividades tidas como armas para o futuro, as quais, se não dosadas, podem tornar-se estressantes. Elas dividem o seu tempo entre a escola, os esportes e um sem-fim de tarefas.

A escola de meio período pode não cobrir todas as necessidades de aprendizagem da criança, mas complementá-las com uma carga pesada de atividades pode resultar em fator negativo. Muitos pais consideram que as tentações, como a TV, o computador, devem ser enfrentadas com uma agenda completa. Consideram que é preferível ocupá-la a deixá-la permanecer frente à TV, sem controle.

Depois da escola, as crianças estudam idiomas, computação, música, praticam esportes, dança, balé, não se descuidando das artes, das coisas do espírito – uma expressão artística sempre é enriquecedora.

É uma tendência deste tempo histórico social, com suas aspirações culturais, suas necessidades de conhecimento, de preparação para a vida futura. Porém, é preciso ponderar, estabelecer um equilíbrio, entre o que a criança quer e necessita e o que pode fazer sem se esgotar. Corre-se o risco de se desvalorizar o tempo livre, favorável ao amadurecimento emocional, afetivo e ao desenvolvimento da criatividade. O ócio também é bom e é preciso respeitar as etapas do desenvolvimento infantil, alertam os especialistas.

Quando o jovem está muito preso a horários, passa a viver sob tensão, diante da qual não consegue responder de maneira positiva. Começa a faltar às aulas, a se desmotivar e a produzir baixo rendimento. O excesso de exigência, com vista a uma competência refinada, cada vez mais se instala em todos os aspectos da vida.

As atividades são pensadas, pelos pais, como uma preparação necessária para um futuro mercado de trabalho exigente e competitivo. Elas sempre existiram, mas, agora, são outros os níveis de exigências, outras expectativas. Antes eram complementares ou passatempos, hoje, surge o fator competitividade, encarado não só no plano individual, mas comparado a um outro. Quando isso ocorre, pode se tornar perigoso porque coloca a criança, muito cedo, em frente de batalha.

Por outro lado, as atividades extracurriculares são importantes instâncias de socialização, principalmente para crianças e jovens muito tímidos. Surgem, contudo, dilemas entre os pais de qual o melhor procedimento: crianças agendadas ou crianças livres? Para psicólogos da área infantil, como Aurora Isasmendi, o importante é atender as demandas pessoais, não se podendo, assim, falar em regra geral. Aos pais competem observar o andamento, o rendimento, se a criança não demonstra cansaço e se não começa a fracassar nos estudos.

Nestes tempos, em que o comum são os pais trabalharem o dia todo, as atividades extracurriculares podem ser a solução para que os filhos não dispersem seu tempo, adquiram competência, não se deixando consumir pela TV. Elas são, de um modo geral, consideradas boas e necessárias, mas devem ser acompanhadas com cuidado, para não produzirem efeito negativo, reações de estresse, traduzidas por enxaquecas, dores de estômago, problemas de conduta e insônia.

É preciso apegar-se aos centros de interesses e ao desenvolvimento evolutivo de cada criança e oferecer atividades adequadas à sua idade. Pergunta-se: até que ponto estamos respeitando os ritmos evolutivos e as motivações de nossa criança e até que ponto estamos desraizando-a demasiado cedo da família? Não estamos limitando sua felicidade lúdica? Qual a educação apropriada para o desenvolvimento do nosso filho? Tentar ajustá-la às suas necessidades físicas, sociais, emocionais e cognitivas, como, também, às características sociais e ao trabalho da família.

“Desejaria que cada pai pensasse com a cabeça e agisse com o coração, que conseguisse captar o que agrada ao filho e o que o contraria”. (Isasmendi).

* Supervisora de ensino aposentada.          
(Publicado em março/2001)

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO

Izabel Sadalla Grispino *

Na semana retrasada abordei, no artigo “Atividades extraclasses e extra-escolares”, tópicos gerais do processo de avaliação da aprendizagem. Foi estimulador o número de pedidos para que eu voltasse ao assunto, com mais especificações.

Em setembro do ano passado, ministrei um curso, para professores e especialistas da educação, sobre “Avaliação da Aprendizagem”. Ao final de cada encontro, eu levantava, com o grupo, os aspectos importantes da avaliação, estudados no dia. Fazia uma espécie de síntese dos assuntos tratados. No término do curso, reuni as conclusões, ordenei-as, coloquei-as, didaticamente, em forma de versos, uma maneira de apresentar o tema em formato prazeroso e que foi acolhido com muito agrado pelos participantes.

Enfoquei aspectos importantes do processo de avaliação da aprendizagem, subdividindo-o em 4 itens: Conceituação, Aspectos do desenvolvimento, Momentos da avaliação e Medidas educativas. Hoje, publico, para os prezados leitores, o primeiro item, deixando, em seqüência, os demais para as próximas semanas.

 

C O N C E I T U A Ç Ã O


Setembro, mês de noventa e nove,                      Sou processo de investigação,
Na escola Estadual “Professor Barros”,            Currículo ajustado ao momento,
Realiza-se um curso e se remove                        Mais formação que mensuração,
Nobre tema enlaçado em ferros.                          Com o sócio-cultural no implemento.

É a avaliação da aprendizagem,                            Entram em jogo, neste processo,
Uma teoria muito cortejada,                                   Aquele que ensina e o que aprende,
Rica em conceito e humana abordagem,           Conjunto de relações impresso,
Mas, sofrivelmente realizada!                                Onde a família, também, se empreende.

“Hoje sou centro de sua atenção,                        Ao elaborar seu planejamento,
Digo-me injustiçada, aleijada,                                Não pense apenas no aluno médio,
Clamo-lhe à reta compreensão,                           Expanda a visão, o sentimento,
Para não continuar desvirtuada.                          A escola pro fraco é seu remédio.

Põem-me roupagem autoritária,                          Mantenha expectativa melhor,
Colocam-me rédeas de feitor,                              Em relação ao aluno pobre,
Usam-me em medida arbitrária,                          Que alcançará resultado maior,
Postulado de mau promotor.                                Se o mestre de esperança lhe cobre.

Sou aversa a essas insígnias,                             Um programa refletindo a escola,
Em vez de temor quero harmonia,                      Com objetivo em adequação,            
Medo, pavor, são como ignomínias,                   O aluno aprende, não pensa em cola,
Crescer é minha filosofia.                                     Na auto-estima verá premiação.

Promover o sucesso é meu lema,                      Programa de avaliação montado,
Fazer o ser se desenvolver,                                  Por professores da mesma escola,
Se ver, conhecer-se a si mesmo,                       Em entendimento unificado,
São fins que não posso suspender.                  Ganha consistência, não atola.”

 

* Supervisora de ensino aposentada      
(Publicado em agosto/2000)

ESCLAREÇA-SE SOBRE UMA NOVA MODALIDADE DE CURSOS SUPERIORES, OS CURSOS SEQÜENCIAIS

Izabel Sadalla Grispino *

Uma nova modalidade de ensino superior foi introduzida na legislação da educação brasileira pela nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). São os cursos seqüenciais, que oferecem uma formação mais rápida e específica que a da graduação. São inovações que atendem a demanda por cursos de menor duração pós-ensino médio. Não há neles um delineamento específico e são criados com dupla finalidade: favorecer a diversificação, indispensável ao ensino superior e atender ao mercado de trabalho. São cursos alternativos ou complementares aos cursos de graduação e foram idealizados pelo educador Paulo Freire na elaboração da LDB.

Os cursos seqüenciais foram regulamentados em janeiro de 1999 e vêm-se tornando uma alternativa aos vestibulandos. Por se tratarem de cursos recentemente criados e, ainda, pouco divulgados, são, praticamente desconhecidos por parte da população.

Pela legislação, as universidades têm autonomia para criar ou fechar os cursos, dependendo das novidades tecnológicas. Para funcionar precisam de autorização do Ministério da Educação e deverão passar por avaliações periódicas. Devem ser oferecidos por instituições de ensino superior credenciadas, que possuam cursos de graduação reconhecidos e ter denominações diferentes dos cursos regulares de graduação. Devem abranger os campos do saber circunscritos às áreas do conhecimento dos cursos de graduação reconhecidos e oferecidos nos mesmos locais dos cursos de graduação.

Os cursos seqüenciais caracterizam-se como de nível superior, mas não se identificam com os cursos de graduação Não são cursos abreviadores da graduação, mas uma alternativa de formação superior para quem quer ingressar mais rapidamente no mercado de trabalho. Eles têm duração menor que os de graduação e estrutura diferente. Intitulam-se como de nível superior, mas não se identificam com os cursos de graduação.

Os cursos superiores seqüenciais podem ter destinação coletiva e individual. No caso da destinação individual, o curso será organizado pelo próprio aluno, que escolherá, com aval da instituição, disciplinas entre as oferecidas em cursos de graduação regulares e reconhecidos. Estes cursos podem ser de dois tipos: Cursos Superiores de Formação Específica, com destinação coletiva, carga horária mínima de 1.600 horas (dois anos), com direito a diploma; Cursos Superiores Seqüenciais de Complementação de Estudos, com destinação coletiva ou individual, com duração de até dois anos, com direito a certificado.

Os Cursos de Formação Específica são destinados a concluintes do ensino médio e superior e os de Complementação de Estudos são destinados, exclusivamente, a egressos ou matriculados em cursos de graduação.

Alguns cursos regulares de graduação permitem ao aluno freqüentar cursos seqüenciais nas próprias instituições. O estudante poderá, com vantagem, pedir mais tarde a equivalência da disciplina e concluir o curso superior tradicional em menos tempo. Por serem cursos de menor duração, têm, contudo, a desvantagem da carga horária mínima e, por isso, fornecer a formação prática da área com pouca teoria.

Os diplomas ou certificados atestarão  conhecimento acadêmico em determinado campo do saber, onde estarão relacionados os nomes das disciplinas, as cargas horárias e as datas em que foram cursados.

As faculdades estão oferecendo, em cursos superiores seqüenciais, carreiras bastante novas, como hotelaria, gastronomia, administração de empreendimentos desportivos, desenvolvimento e gestão de ambientes da Internet, administração de comércio eletrônico, ciências atuariais, tecnologia em açúcar e álcool etc. A tônica dos cursos é estar em sintonia com as novidades e oferecer qualificações específicas para o indivíduo exercer esses novos postos de trabalho.

Os cursos seqüenciais não são montados em torno das tradicionais áreas do conhecimento – ciências, matemática, ciências humanas, geociências – mas concebidos por campos, que podem incluir desde assuntos específicos das áreas técnico-profissionais até a articulação de elementos de mais de uma delas, desde que haja coerência e lógica.

Na sua concepção, esses cursos, flexíveis e abertos, conforme estabelece o Parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE), atenderão os mais diversos segmentos sociais. São uma versão mais livre do ensino superior, na qual o aluno define seus interesses com base no que a instituição lhe oferece. É uma boa opção para quem, ao terminar o ensino médio, busca ampliar ou atualizar seu conhecimento, em variado grau de extensão ou profundidade, freqüentando o ensino superior, sem, necessariamente, ingressar num curso de graduação. Traz vantagem, também, para as instituições que registram altas taxas de evasão nos cursos de graduação.


*Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em janeiro/2001)

LOUVOR AO 15 DE OUTUBRO – DIA DO PROFESSOR

Izabel Sadalla Grispino *

Façamos, hoje, uma pausa para meditação. Pensemos, com carinho e consciência, na figura do professor, do “magister”, na força de alavanca social de que é portador. Deus é do universo o grande arquiteto e o professor é o seu grande aliado, aquele que ajuda a manter e a conservar a sua obra humana e cósmica. Não importa em que sociedade vivemos, em que cultura nos inserimos, em que época da vida nos reportamos, é ele, o professor, o insubstituível protagonista de todo o desenrolar das atividades humanas, a mola-mestra do desenvolvimento sustentável do planeta. É para ele, para a sua educação, que se volta a esperança de vida de nossa mãe-terra, a esperança da quebra do desnível social, da afirmação da ciência, em sua evolução.

Homenageamos, hoje, a todos que se dispõem a ensinar, não só o professor institucional, mas, também, o informal, a todos que passam o seu saber para as novas gerações, colaborando com o crescimento do outro, com a construção de um mundo melhor.

Embora o papel do professor, nessa nova sociedade tecnológica, tenha mudado, ele continua sendo o elemento indispensável para a promoção humana e social. Durante muito tempo, o professor mobilizou um saber disciplinar – apoiado nas disciplinas do currículo – era o transmissor do conhecimento científico. A escola era o lugar privilegiado do saber, a instituição responsável pela transmissão da memória social e cultural e o professor, a principal fonte do conhecimento. Esse conhecimento, centralizado na sua pessoa, colocava-o como um capital profissional, um capital de saberes. Hoje, ele perdeu a vanguarda do conhecimento – detêm-no a mídia, o computador, a internet.

A escola não é mais o lugar propriamente da informação, mas o lugar do que fazer da informação, e o professor, a pessoa capaz de gerenciar toda uma sociedade de conhecimento. A escola vem assumindo, progressivamente, um papel mais educativo que informativo. Associa-se, hoje, mais que ontem, à função do professor, a do educador. Se ele  não é mais um “capital de saberes”, é, contudo, um “capital de formação”, função tão importante quanto. Ele é o carro-chefe do avanço tecnológico.

A escola deve vir antes da tecnologia. Ela tem o encargo de formar o aluno, de dar-lhe as armas psicológicas, morais, intelectuais, necessárias para o recebimento das tecnologias. No contexto tecnológico, o que vale mesmo é a boa formação, o conjunto desenvolvido das capacidades do indivíduo, tanto nos aspectos cognitivos, como nos atitudinais e procedimentais. Formar o indivíduo para a criticidade é o grande alvo. Nesses aspectos, a pessoa do professor é imprescindível. Ele foi, é e sempre será o fulcro do processo educativo.

Nessa linha, avança-se para o conceito de capital humano, conforme a ciência da ergonomia, quando fala em investimentos, não só de equipamentos, de tecnologia, mas, também, e, sobretudo, da pessoa humana, da sua qualificação, melhorando sua atuação, suas condições de trabalho, sua qualidade de vida.

Que a ergonomia ganhe a educação, que nela faça valer seus princípios, que sociedade e governo encarem o professor como real capital humano que é e não um faz-de-conta. Só, então, poderemos alimentar a sonhada esperança de que a boa educação resplenderá, seguida do sentido de igualdade de que fala a nossa Constituição.

Ao sofrido professor, ao monumento que denominamos magistério, em meus versos, a expressão de reconhecimento e de amor.

MAGISTÉRIO

*Izabel Sadalla Grispino

Magistério, luz da civilização,                                       Magistério é reinado das profissões   
Deusa Minerva de alta sabedoria,                               Mestre, médico, engenheiro, padeiro,
Eu te proclamo em sentida profusão,                        Cada um, dele se vale com distinções,
Te reverencio em nome da maioria.                           Para formar, com luta, um mundo ordeiro.

És a esperança da vida igualitária,                            Ele é o grande aliado do Criador,
A niveladora da desigualdade,                                    Ultrapassa a nossa dimensão humana,
A força que agrega, nunca solitária,                         Beira as raias do divino Inventor,
Sustento da ciência em sua prosperidade.             Guarda o ambiente, impede ação desumana.

Espalhas na terra o senso humanitário,                  Só ele nos livra do mundo escuro,
Carregas, no ventre, o ideal da humanidade,         Só ele é capaz do homem libertar,
Exaltas o viver do homem solidário,                         Só ele nos arremessa pro futuro,
Não te descuidas da religiosidade.                           Só ele é capaz do universo salvar.

Arrancas o ser das trevas da ignorância,               Magistério é resplendor do horizonte,
Erradicas do solo o analfabetismo,                          Sabedoria da fé e da razão,
Educas o adulto, o jovem e a criança,                      Edifício e pilar da saga gigante,
Propiciando ao aprendiz sendas do ecletismo.     Estrada do sol, nobre constituição!

Desces da grandiosidade do teu trono,                  O professor é o seu grande apóstolo,
Freqüentas palacetes, tristes cabanas,                 Tem no ensino o seu evangelho,
Embora sendo nosso grande patrono,                   Magistério é ação, não é rótulo,
Humildemente puxas as caravanas.                       É o sacerdote do jovem, do velho

Gloriemos o mestre, hoje tão esquecido,
Já viveu tempos áureos, lindo troféu,
Agora, com seu salário empobrecido,
Tem o amor de quem lhe tira o chapéu!


* Supervisora de ensino aposentada.    
(Publicado em outubro/2000)

 

MAGISTÉRIO

Izabel Sadalla Grispino

Magistério, luz da civilização,                                      Magistério é reinado das profissões          

Deusa Minerva de alta sabedoria,                              Mestre, médico, engenheiro, padeiro,

Eu te proclamo em sentida profusão,                         Cada um, dele se vale com distinções,

Te reverencio em nome da maioria.                           Para formar, com luta, um mundo ordeiro.

És a esperança da vida igualitária,                             Ele é o grande aliado do Criador,

A niveladora da desigualdade,                                    Ultrapassa a nossa dimensão humana,

A força que agrega, nunca solitária,                          Beira as raias do divino Inventor,

Sustento da ciência em sua prosperidade.                  Guarda o ambiente, impede ação desumana.

Espalhas na terra o senso humanitário,                     Só ele nos livra do mundo escuro,

Carregas, no ventre, o ideal da humanidade,            Só ele é capaz do homem libertar,

Exaltas o viver do homem solidário,                           Só ele nos arremessa pro futuro,

Não te descuidas da religiosidade.                              Só ele é capaz do universo salvar.

Arrancas o ser das trevas da ignorância,                   Magistério é resplendor do horizonte,

Erradicas do solo o analfabetismo,                             Sabedoria da fé e da razão,

Educas o adulto, o jovem e a criança,                        Edifício e pilar da saga gigante,

Propiciando ao aprendiz sendas do ecletismo.           Estrada do sol, nobre constituição!

Desces da grandiosidade do teu trono,                       O professor é o seu grande apóstolo,

Freqüentas palacetes, tristes cabanas,                        Tem no ensino o seu evangelho,

Embora sendo nosso grande patrono,                                   Magistério é ação, não é rótulo,

Humildemente puxas as caravanas. É o sacerdote do jovem, do velho

Gloriemos o mestre, hoje tão esquecido,

Já viveu tempos áureos, lindo troféu,

Agora, com seu salário empobrecido,

Tem o amor de quem lhe tira o chapéu!

MARCAS DA DESIGUALDADE EDUCACIONAL

Izabel Sadalla Grispino*

A política de reserva de vagas, além de inconstitucional, não é o meio mais adequado para garantir acesso ao ensino superior, conforme argumentei no artigo anterior. Continuarei, neste, a abordar o assunto, trazendo maiores esclarecimentos.

Ampliando a visão a respeito, vejamos o que nos expõe o estatístico Adilson Simonis, do Instituto de Matemática e Estatística da USP, em seu “Estudo do desempenho dos candidatos da Fuvest/USP”. Diz ele que a reserva de vagas acarreta forte redução nas notas de corte do vestibular, nota que o candidato precisa alcançar para entrar na segunda fase do exame. Em conseqüência, alunos mais bem preparados perderiam o lugar para os despreparados, que viriam prejudicar o desempenho acadêmico.

O Estudo analisou o desempenho dos candidatos nos dois últimos vestibulares e concluiu que a política de quotas viria trazer um rebaixamento no nível do ensino, afetando sua qualidade. “Nas carreiras mais concorridas, um conjunto de alunos com média total de 661 (escala de 0 a 1000) seria excluído e substituído por outro grupo, com média 481, ou seja, seriam impedidos de entrar na USP alunos que tiveram um desempenho, no vestibular, de 37% superior”.

Explicou, ainda, que, em relação à nota de corte da primeira fase, haveria duas listas de convocados, uma para egressos das escolas públicas e outra para as privadas, com nota de corte diferente. “No caso do curso de engenharia, por exemplo, a nota de corte seria 81 para os primeiros e para os demais 131, isto é, uma diferença de 50 pontos numa prova. Assim, alunos de escolas privadas com 131 não seriam convocados, sendo substituídos por outros com nota 81”.

Na minha primeira abordagem, sobre este assunto, no artigo:  “Educação:  confusão  entre  ordem  direta  e inversa”, fiz as seguintes considerações: “Tenho, em meus artigos, reiteradas vezes, chamado a atenção para o baixo nível de ensino de nossas escolas oficiais. Tenho tentado mostrar a necessidade de se desenvolver nas escolas um ensino de qualidade, único fator capaz de nivelar, de dar oportunidade de igualdade a todos os cidadãos, independentemente de cor, raça ou classe econômica. O ensino de baixa qualidade das escolas oficiais vem se traduzindo, cada vez mais, em mecanismo de reprodução das desigualdades sociais existentes. A importância de uma educação de qualidade na vida pessoal e social já foi, exaustivamente, delineada em várias ocasiões”.

No Rio de Janeiro, com a aprovação do projeto de reserva de vagas, surgiu todo um processo de reparação aos possíveis males ao ensino. Visando garantir a qualidade do ingresso, previu-se, na regulamentação da lei, que trata da reserva na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), de que ela só terá validade para o aluno que se submeter a testes ao longo do ensino médio. O documento prevê, ainda, que a reserva seja adotada somente para o vestibular de 2003, oportunizando as condições preestabelecidas.

Serão programadas avaliações durante o ensino médio, avaliações continuadas que funcionarão como indicadores de qualidade. Os alunos serão submetidos a quatro provas durante o ensino médio (duas no último ano). “Somente alunos que obtiveram um coeficiente mínimo de aproveitamento nos testes terão direito à reserva de vagas”.

Será também instituída uma comissão de representantes das secretarias de Ciência e Tecnologia e da Educação e do movimento estudantil para acompanhar a aplicação das provas. Foi estabelecido, também, como critério de que o aluno deva cursar toda a vida escolar em instituições públicas.

Se o projeto vier a ser aprovado no Estado de São Paulo, seguramente, será, na sua regulamentação, acompanhado de critérios de rigidez. Se forem adotados procedimentos similares aos do Rio de Janeiro, o ensino médio, também, no Estado de São Paulo, caracterizar-se-á por uma seqüência de provas preparatórias para o ingresso ao ensino superior.

Contudo, esse processo de avaliação, montado durante todo o ensino médio, não obtém consenso entre os especialistas da educação. É a chamada “Avaliação Progressiva”, também, já formulada em projeto de lei e que chegou a tramitar no Conselho Nacional de Educação, mas que parece não ter chegado a um bom termo. É um processo de seleção ao ensino superior feito ao longo dos três anos do ensino médio. Seria um escalonamento do vestibular em três séries, transformando o ensino médio numa transição para o ensino superior.

Essa proposta tem suscitado controvérsias entre os educadores, assinaladas por mim, no artigo “Sistemas diferenciados de avaliação para o ingresso ao ensino superior”. Os educadores questionam o conceito maior da educação desse nível de ensino, ou seja, a formação básica da cultura geral e dizem que esse processo de seleção acarretaria a obstrução das etapas normais do desenvolvimento das faculdades intelectuais, das faculdades formativas de valores e atitudes. Sobre o aspecto amplo da formação do aluno, dir-se-ia que esse processo de avaliação periódica seria prejudicial ao ensino médio. “Roubaria do aluno o tempo destinado à leitura suplementar, à pesquisa, à atenção destinada às potencialidades, pré-requisitos essenciais à formação integral e à atuação do futuro profissional”.

Com essa política de reserva de vagas, cria-se um impasse na educação. É como diz a letra da música: “Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega”.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em setembro/2001)

A CRESCENTE ONDA DE VIOLÊNCIA INFANTO-JUVENIL

Izabel  Sadalla Grispino *

Como pode a escola, nessa linha, exercer seu papel de coadjuvante da transformação social? Sabemos que escola e sociedade se integram, se interagem. São interfaces que se refletem, que se completam: uma recebe o produto da outra. O projeto pedagógico da escola deve contemplar a realidade vivida pelo aluno, seu cotidiano; contemplar o contexto socioeconômico-cultural, no qual se insere. A contextualização é matéria-prima do currículo. A análise reflexiva do comportamento social é vital para a performance da escola. Os alunos que a freqüentam saem da sociedade, é dela parte integrante. De que características se reveste a sociedade de hoje?

No cotidiano social vivenciamos a violência, a fome, a corrupção, o desemprego, tudo banalizado pela alta freqüência. Estamos nos tornando uma comunidade anestesiada pela repetida violência, que vai minando o organismo social. Presenciamos uma juventude desajustada, psicologicamente envelhecida, renunciando, no uso da droga, a própria capacidade de sonhar. O número de delinqüência juvenil vem aumentando em progressão geométrica. A miséria moral é a mola crescente desse pejo social.

As causas da violência, apontadas por especialistas, ajudam no entendimento e na colaboração que cada instituição – família, escola, igreja, justiça, polícia... – pode dar. Pesquisas realizadas nessa área mostram várias causas, todas girando em torno da família. A ênfase é dada à desestruturação da família. A destruição do casamento vem trazendo uma amarga fatura. A ruptura familiar produz na criança, no jovem, o “rasgão afetivo”, responsável por um desajuste precoce. É como se diz: “A pobreza material castiga o corpo, mas a carência afetiva corrói a alma”. A ausência de vínculos afetivos gera introspecção, frieza, revolta. Sem carinho, a criança cresce sem referenciais.

Quem não aprendeu amor em casa, dificilmente levará amor para a rua. O numero de casas sem pais vem crescendo assustadoramente. Pais ausentes, filhos delinqüentes. Pais fora de casa, filhos entregues à “babá eletrônica”, com suas nefastas conseqüências.

Família sadia é ainda a melhor receita para uma sociedade sadia. Família que reza unida, permanece unida, nos ensina a Bíblia Sagrada. Coelho Neto já nos dizia: “A família é a célula-mater da sociedade” e a sabedoria popular nos adverte: “Colheremos o amargo fruto que a nossa omissão ajudar a semear”.

O resgate da juventude passa, sem dúvida, pela recuperação da família. O jovem precisa buscar sentido na família.

Preconiza-se, como medida salvadora, a volta da família nos moldes tradicionais, fortificando-se os laços familiares. Não adianta o brilho do intelecto se não houver o brilho de sentimento.

Violência e droga são aspectos afins,  ambas se prendendo à crise familiar. Uma pesquisa do Ibope, realizada em fins do ano passado, em cinco capitais brasileiras, concluiu que os conflitos familiares, o declínio da família, são a principal causa da entrada dos jovens no mundo da droga. De cada 100 adolescentes entrevistados, 35 alegaram que se drogavam para fugir dos problemas familiares. O segundo motivo, a necessidade de ser aceito pelo grupo, vem bem atrás, 15% dos jovens visitados. Um estudo do Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas  (Cebrid), em setembro de 1999, mostrou que 26% dos jovens brasileiros usaram algum tipo de droga, legal ou não. Hoje, esse número, estima-se ser maior. Nas famílias problemáticas, esse índice era bastante superior.

Uma segunda causa apontada pra o crescimento da violência infanto-juvenil são os jogos eletrônicos. Uma pesquisa realizada, durante 5 anos, pela psicóloga Paula Gomide, professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná, com 500 crianças e adolescentes, relata: “Cumulativamente, os efeitos da exposição contínua à violência podem causar sérios danos psicológicos”. Especialistas endossam essa afirmativa, demonstrando forte conexão entre a violência transmitida via entretenimento e sua dramática transposição para a vida real. Um dos videogames de maior sucesso, o Carmageddon, revelou-se um autêntico laboratório de crime e perversão. Um garoto de 12 anos assim se manifestou: “Eu acho dez o Carmageddon. É engraçado ver todo mundo se despedaçando. Eu adoraria poder jogar o carro em cima dos pedestres, principalmente idosos. É legal ver o velhinho sair correndo e a gente atrás”. É uma apologia ao comportamento destrutivo, indiferente ao sofrimento humano, antes, estimulador.

Essa precoce carga de perversidade pode estar na origem de comportamentos patológicos, excessivamente agressivos. No próximo artigo, continuaremos abordando o assunto, refletindo sobre novas causas da violência.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em maio/2000)

A CASA COMO ESCOLA DOS FILHOS

Izabel Sadalla Grispino *

Atinge as esferas judiciais e educacionais a discussão sobre a possibilidade de os pais ministrarem, aos filhos, o ensino em casa, sem que tenham que ir à escola e freqüentar a sala de aula. A mídia tem noticiado casos em que pais tentam, através de mandado de segurança, garantir, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), o direito de educar os filhos em casa e levá-los a uma escola determinada apenas para realizar as provas, a fim de submeter-se à avaliação escolar.

A ESCOLA EM SUA MACRO-ORGANIZAÇÃO

Izabel Sadalla Grispino *

O sucesso não ocorre por acaso. Escolas, que vêm mantendo a vanguarda do conhecimento e de sucesso escolar, organizam-se em funcionais princípios, baseados em uma moderna gestão educacional.

Elas fazem valer o espírito de equipe. O espírito de grupo cresce e alcança o de equipe, envolvendo toda a instituição. É o todo a favor das partes, é a unidade de pensamentos e atitudes, alicerçada na filosofia educacional adotada pela escola.

O foco da educação centraliza-se na qualidade do ensino e na sua utilidade. As avaliações de todo o processo estão em reavaliações contínuas, seja do ensino-aprendizagem, seja do sistema.

A macro-organização vai gerir a formulação de currículos interdisciplinares, norteados para o desenvolvimento de habilidades, numa visão ampla do conhecimento e não para fazer provas. Vai, na escola como um todo, mudar o olhar do sentido da educação, sustentado pelo momento atual, pelas exigências da sociedade, no equilíbrio do olhar interno com o externo, com o recinto da escola e o seu entorno. Expande o olhar em direção ao mundo globalizado.

A escola, interessando-se pelo seu entorno, buscando conhecer a sua comunidade, a sua região, vai melhor contextualizar o seu conhecimento, trazer matéria mais significativa para o aluno. Muito do que se ensina na escola não tem nada a ver com a realidade do aluno e nem relação com o mercado de trabalho e isso a desloca de seu eixo.

Conhecimento não é só para dentro da escola, mas, também, para fora dela. Esse entendimento começa a ganhar terreno. Para mudar o País, a escola precisa primeiro querer mudar o entorno de onde se insere, preocupar-se com a comunidade. Ao levar conhecimento à comunidade, a escola fortifica-se. Defende a idéia de trabalho comunitário, quando o jovem aprende a conhecer e a lidar com sua realidade, aprende a entendê-la e, através do conhecimento, passa a modificá-la.

A escola cria uma conscientização, que se inicia com ela e chega à sociedade, da importância da educação para viabilizar o crescimento geral da Nação.Melhorando o ambiente, o meio social, ela torna a educação uma realidade concreta a todos os alunos, pobres ou ricos.

O entorno mais esclarecido vai se encarregar de empurrar a educação para cima. O seu envolvimento, a sua participação interessada, chegam ao aluno, à organização da escola e engrossam as fileiras em favor de uma educação mais contextualizada, de qualidade.

A escola, funcionando como equipe, ganha armas, ganha força. Vai lutar, com unanimidade, pelos mesmos princípios educacionais e filosóficos, por ela implantados, surtindo, pelo conjunto, resultados animadores. É a união caminhando em direção aos valores ressaltados pelo momento educacional.

* Supervisora de ensino aposentada.         
(Publicado em agosto de 2006)

DOIS DE NOVEMBRO, DIA DE FINADOS. HOMENAGEM AOS MORTOS

Izabel Sadalla Grispino *

Aos nossos mortos queridos, nossas lembranças doídas. Nosso profundo amor e nossa profunda saudade!

O outro lado da vida está repleto de pessoas amadas, que ocupam o nosso pensamento e confirmam o pedacinho de tempo que passamos na terra, peregrinos que somos de um mundo mutável, finito. Somos pequenas gotas de orvalho, que vão, aos poucos, se evaporando e se avolumando na eternidade. Somos a contradição entre a debilidade física, que nos faz vulnerável e mortal e a força psíquica, que impulsiona a inteligência e nos leva a vôos espetaculares, vencendo os imensos espaços do universo.

Vida curta! Vida enigmática!

Hoje é dia de silêncio, de meditação,

Dia de viver os nossos mortos,

Cobrir-nos com o manto da saudade, da oração,

Povoar nossas mentes com as lembranças que voltam.

Hoje, a brevidade da vida fica patente,

A estrada do infinito fica mais que evidente,

Trabalha-se a alma, reformulam-se conceitos,

O ponto de chegada tem peso de efeito!

A morada dos mortos é o nosso amanhã,

Quanto mais o tempo passa, mais dela nos aproximamos,

Poucos conseguem delinear tamanha certeza!

Poucos se afinam com as leis da humana natureza!

AGRESSIVIDADE ADQUIRIDA ATRAVÉS DOS VIDEOGAMES

A Associação Americana de Psicologia estuda, há 20 anos, em diversas partes do mundo, a reação dos videogames sobre as crianças e os adolescentes. Depois de muita análise, chegou à conclusão de que os games, com imagens de violência, podem levar as crianças e adolescentes a ter comportamentos violentos, a ser agressivos.

Segundo os pesquisadores, “bastam 10 minutos de jogo violento para que, logo em seguida, num teste psicológico, o jogador revele um comportamento agressivo”.

Uma outra pesquisa, feita por professores de 600 alunos com idade entre 13 e 15 anos, constatou que as crianças que passavam mais tempo diante de videogames, com cenas de luta e morte, eram mais hostis com os colegas e discutiam mais facilmente com o professore e o diretor.

As pesquisas evidenciaram que a exposição à violência aumenta os sentimentos de hostilidade e de agressividade. Parecem comprovar que a violência é uma forma de lidar com situações potenciais de conflito. Por essas características, a Associação Americana de Psicologia elaborou uma resolução em que defende a diminuição da violência interativa nos jogos eletrônicos.

Um outro estudo veio mostrar que quem pratica um ato violento nos jogos virtuais fica impune em 73% das situações. A psicóloga Elizabeth Carel, uma das diretoras da Associação Americana de Psicologia, concluiu que “mostrar situações violentas sem as devidas conseqüências é ensinar aos jovens que a violência é uma boa forma de resolver conflitos. Mostrar dor e sofrimento, como conseqüência, pode inibir comportamentos agressivos”

Outros estudos confirmam que o principal fator de ligação entre a violência virtual e o comportamento agressivo é a forma como a criança entende a violência. O que incentiva é a forma como a criança percebe a violência e a maneira como os pais, os professores, ensinam a entender essa realidade.

O que se aconselha é que pais e professores ensinem a criança ou o adolescente a encarar os jogos de forma crítica, com reflexões, adquirindo a capacidade de separar fantasia e realidade. Quando a violência é via TV, isso fica mais fácil; nos jogos, é mais difícil, porque a criança pratica a violência.

Os videogames, com imagens de violência, devem ser usados com cautela e orientação.

* Supervisora de ensino aposentada.
(Publicado em outubro/2005)

PARÂMETRO CURRICULAR NACIONAL DAS ESCOLAS INDÍGENAS

Izabel Sadalla Grispino *

O Plano Nacional de Educação pela primeira vez se preocupou com as escolas indígenas. Falemos um pouco sobre ele.

O governo elaborou, através do Ministério da Educação (MEC), o PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (PNE), que foi entregue à Câmara dos Deputados em 12/02/1998 para debate e consenso.

O artigo 87 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) diz que a União deve encaminhar ao Congresso Nacional, no prazo de um ano, após a publicação da lei, o Plano Nacional de Educação (PNE), com diretrizes e metas para os 10 anos seguintes.

Em 10 de fevereiro do mesmo ano, dois dias antes do MEC, a oposição protocolou um projeto de lei sobre o seu Plano Nacional de Educação.

O Plano Nacional de Educação da oposição, apresentado por deputados do PT, foi elaborado com base em plano definido num encontro nacional de professores e entidades ligadas ao ensino, ocorrido em novembro de 1997, pelo Congresso Nacional de Educação (Coned), uma instância suprapartidária, que reúne sindicatos e entidades da área.

No Congresso, este plano teve o apoio do PT, PC do B, PSB, PSTU e PV. A oposição apoiou-se na Constituição, quando diz que deve haver o Plano Nacional de Educação, mas não especifica quem deva fazê-lo. O governo apoiou-se na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), quando diz que a União enviará o plano ao Congresso.

Os dois projetos são ambiciosos, definem metas em todos os níveis por 10 anos, possuem metas diferentes, mas ambos cobrem desde a educação infantil até a educação superior, passando pela educação especial, educação indígena, formação dos professores, financiamento e gestão. O ensino fundamental é priorizado nos dois. O Plano Nacional de Educação, do MEC, chega a prever que em 3 anos as escolas atendam em dois turnos diurnos e um noturno. Atualmente, na cidade de São Paulo, mais de 70% da rede atende em 3 turnos diários.

O projeto do governo previu a criação, a partir de 1999, de novos planos de carreira para o magistério, promoção por mérito, e preferência à dedicação dos professores por tempo integral, com 30 horas de atividade em sala de aula. Aborda os mais diferentes problemas da educação, como verbas e infra-estrutura das escolas, computando, para elas, padrões mínimos nacionais de infra-estrutura.

O plano inclui programas de bolsa-escola para as crianças pobres e ampliação do Programa de Crédito Educativo, com o objetivo de atender a 15% dos alunos matriculados em faculdades particulares.

A meta mais importante é a de “universalizar o acesso ao ensino fundamental – 1.ª à 8.ª série – e garantir a permanência de todas as crianças de 7 a 14 anos na escola”. No 6.° ano de aplicação do plano, a oferta obrigatória do ensino fundamental se estenderá para cada criança, a partir dos 6 anos de idade, o que vem de encontro com a Constituição estadual, que permite a matrícula a partir dos 6 anos, “desde que plenamente atendida a demanda das crianças de 7 anos”.

Dentro de 5 anos, o plano prevê uma reforma no ensino médio, com a instituição de novo currículo, juntamente com um sistema nacional de avaliação, como o que ocorre no ensino superior. Nesse mesmo prazo, pretende “assegurar que todos os professores do ensino médio possuam diploma de nível superior, oferecendo oportunidades de formação, nesse nível de ensino, àqueles que não a possuem”.

O plano estipula aumentar anualmente em 10% o número de mestres e em 5% o número de doutores formados no sistema nacional de pós-graduação.

PARÂMETRO CURRICULAR NACIONAL DAS ESCOLAS INDÍGENAS – Pela primeira vez, vemos uma preocupação objetiva sobre o ensino das escolas indígenas. O Ministério da Educação (MEC) elaborou, dentre os demais Parâmetros Curriculares Nacionais da Educação Básica – ensino infantil, ensino fundamental de 1.ª à 4.ª série, ensino fundamental de 5.ª à 8.ª série e ensino médio –, o Parâmetro Curricular Nacional das Escolas Indígenas, possibilitando a criação de uma política educacional para o povo indígena.

Em 21 de maio de 1998, o Ministério lançou o referencial curricular nacional para as escolas das aldeias, que passaram a ter, desde 1999, currículos próprios, valorizando suas culturas. Até então, buscava-se apenas integrar os índios à sociedade, deixando de preservar e valorizar as suas diferentes culturas.

Levantamento estatístico mostrou que existem no Brasil 207 povos indígenas. Temos 1.591 escolas indígenas com mais de 62 mil alunos freqüentando o ensino fundamental, de 1.ª à 8.ª série.

O parâmetro curricular alia o ensino de matérias tradicionais à discussão de temas de interesse das comunidades, como a organização e direitos das nações indígenas no Brasil.

Pela proposta do MEC, o ensino da língua portuguesa deverá ser simultâneo ao da língua indígena local. Na matemática, além do tradicional estudo de números e operações, o aluno lidará com os sistemas numéricos usados pelos diferentes povos indígenas e pela sociedade em geral, para facilitar sua comunicação. Na geografia, a proposta é partir do espaço geográfico onde vive o aluno para ajudá-lo a entender sua localização no Brasil e no mundo. Na educação física, o aluno deverá conhecer desde os jogos e brincadeiras tradicionais de sua tribo, até as práticas esportivas brasileiras e internacionais.

O “Parâmetro Curricular Nacional das Escolas Indígenas” não é um referencial obrigatório, mas, certamente, as escolas indígenas encontrar-se-ão na proposta e usá-la-ão, desde que tenham meios para aplicá-la.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em novembro/2000)

CRECHE E PROBLEMAS DE SAÚDE

Izabel Sadalla Grispino *

Hoje, o alerta para as creches, na educação infantil, é para as questões de saúde. A área pedagógica, desde a promulgação da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), de 1996, passou a ser observada mais de perto.

A qualidade de atendimento pedagógica vem a cada ano trazendo melhores resultados, crescendo, contudo, a preocupação com os aspectos básicos de saúde. Aumenta a consciência da necessidade de um profissional qualificado para o cuidado que uma criança pequena precisa.

A educação nos três primeiros anos de vida vai além do dar de comer, colocar para dormir ou passear com a criança. Nota-se em muitas creches um preparo incorreto de alimentos, quantidade incorreta, por exemplo, de leite, falta de preparo para medicar, limpar a criança e falta de higiene ao não higienizar mamadeiras. A criança corre o risco de contaminação, dizem os nutricionistas.

Em muitas creches, os profissionais não sabem fazer a limpeza na área genital do bebê, o que pode provocar infecções urinárias. As creches precisam preparar-se para oferecer aos bebês cuidados de saúde. Notam-se com freqüência, em bebês, problemas de diarréias e infecções.

Os educadores precisam passar por uma formação na área do atendimento básico à saúde dos bebês. A incidência de doenças, revelada por uma pesquisa feita pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), mostra o dobro de casos de morte por varicela em crianças de creche do que na média geral. Passou-se, então, a incluir a vacina contra a doença na rede do Estado.

Há creches que buscam sanar o problema contratando profissionais de saúde, equilibrando os benefícios pedagógicos com os de saúde. Um berçário necessita de enfermagem. As necessidades de uma criança na parte de saúde ultrapassam o atendimento educacional. O caráter pedagógico da educação infantil foi reforçado pelas normas definidas pela LDB, quando as creches entenderem que não são mais só um parquinho. Até os 3 anos, a criança vive um período riquíssimo, que precisa de estimulação, como música, movimentos, cores, brincadeiras e atividades de socialização. Em creches da rede particular, de escolas renomadas, no berçário, os bebês dispõem de psicomotricista, musicista, pediatra, em período integral, e nutricionista para elaborar um cardápio para cada criança.

É preciso estar atento aos problemas de saúde, à capacitação nessa área, para um correto atendimento. É preciso que os ganhos pedagógicos não sejam prejudicados pelas perdas no trato de saúde.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em setembro/2006)

INFORMATIZAÇÃO NAS ESCOLAS PÚBLICAS E PRIVADAS

Izabel Sadalla Grispino *

O cenário cibernético da informática com a internet toma conta das escolas. Computadores já não são mais exceções, mas regras nas escolas de São Paulo.

Segundo consta, 100% das escolas da rede municipal têm laboratórios de informática; na rede pública estadual, o número é de 50,4%. Nas escolas particulares, a inclusão digital é bem mais aprimorada, só se ressalvando escolas que não adotam o uso de computadores, porque vêem na tecnologia uma ameaça ao desenvolvimento da criança e do adolescente.

A crença generalizada é de que a tecnologia acelera o processo de aprendizagem, diversifica as ferramentas do ensino e amplia a visão do educando. O professor, bem treinado, consegue explicar em uma aula o que levaria três ou quatro e o aproveitamento do aluno é bem maior. As escolas vêm aderindo à lousa digital, que pode ser ligada a microscópios, projetores e também à internet. A lousa digital, ao lado do quadro-negro e do giz, é instalada nas salas multimídias e usada quando o professor quer dar uma aula mais dinâmica. Essa aula é um estímulo para o aluno, que a assiste com mais entusiasmo. A escola mescla aula a distância e aula presencial. As lousas eletrônicas abrem novas perspectivas, novas possibilidades de interatividade entre professor e aluno. Uma criação automática de provas é programada, impedindo a cola. Ainda, o aluno, com um simples comando no computador, pode ter, em mãos, impressa a aula que o professor acabou de dar.

Contudo, um estudo comparativo sobre o uso da informática, entre as escolas particulares e a pública, mostra o quanto o aluno pobre se distancia da evolução tecnológica exigida pela época. Fica à deriva dessa aprendizagem, aprende, apenas, o básico.

As grandes escolas particulares adquirem equipamentos caros, supersofisticados, atraindo cada vez mais alunos, criando um desnível colossal com as escolas públicas, no uso da tecnologia. O estudo cita, por exemplo, o Colégio Bandeirantes de São Paulo, com DVD player, projetor e computador em quase todas as salas de aula. Tem lousas digitais, um laboratório com PC e outro com notebooks interligados por rede sem fio. O grande destaque é o Classroom Performance System, uma sistema para o aluno responder questões de múltipla escolha exibidas no telão por um controle remoto, que permite ao professor saber quem respondeu o que. É utilizado, também, em aulas de revisão e para treinar os alunos para o vestibular. Entre outras utilidades, o sistema, surpreendentemente, faz um relatório e o professor fica sabendo qual a dificuldade específica de cada aluno.

Um outro aspecto muito interessante são os programas para a organização e distribuição de provas. O professor informa para quantos alunos a prova será aplicada e quantas questões devem ser respondidas por cada um. O sistema sorteia as perguntas e as distribui aleatoriamente pela classe, não permitindo que nenhuma prova fique igual à outra. Facilitando o trabalho, o próprio programa corrige o teste, seguindo as orientações passadas pelo professor ao software.

Os alunos da escola estão acostumados aos PCs desde pequenos em suas casas e acompanham com a maior desenvoltura todo o processo aplicado. Por sua vez, os professores têm que ser mestres em informática, dominar os conhecimentos de informática e, assim, conseguem facilmente manejar essa tecnologia, utilizada como ferramenta pedagógica. A linguagem da tecnologia é, por eles, introduzida naturalmente, sem entraves na comunicação. Professores e alunos estão familiarizados com o uso dos equipamentos eletrônicos.

Como o Colégio Bandeirantes, outras escolas privadas, de alto padrão, mantêm um ensino avançado em informática e usufruem de toda sua inovação. Mesmo escolas particulares menos equipadas oferecem ainda melhores condições para o ensino e uso da tecnologia que as escolas públicas, sempre em defasagem nos amplos aspectos do conhecimento. Os seus laboratórios de informática, quando existem, são mais tradicionais. Chegam a ter máquinas novas, usadas para trabalhos escolares e pesquisas na internet. Também, são usadas para ensinar rudimentos de informática e comumente seus alunos nunca tiveram, antes, a oportunidade de manusear um computador.

Ademais, o seu uso limitado do computador revela, em parte, a limitação do professor da rede pública, que não conhece métodos alternativos para essa tecnologia. Os alunos, segundo pesquisa, apenas complementam o que aprendem em sala de aula e acompanham outras experiências como o uso de câmaras e filmadoras digitais. A utilização dos computadores é feita de modo a que professores e alunos tenham os mesmos direitos. Quando se quer usá-los para um projeto ou para um trabalho, tem que marcar hora.

As escolas públicas, em geral, vêem os projetos propostos como algo sem muita utilidade. Não envolvem seus alunos em propostas de criação de conteúdo ou troca de conhecimento com crianças de outras escolas. A metodologia é rudimentar, bem diferente da utilizada por boa parte das escolas privadas. Dificilmente, chegam a ter programas educativos de matemática, história, ciências ou geografia.

Entretanto, o uso da tecnologia deve seguir critérios rígidos, em qualquer situação, seja das escolas privadas ou das escolas públicas, advertem os educadores. O uso indiscriminado e prolongado do computador acentua regressos em muitos aspectos do saber. Constata-se uma formação crescente de analfabetos funcionais. O aluno, apegado ao computador, ao videogame, à internet, à TV, não adquire o hábito da leitura. Lê mal e por conseguinte escreve mal, não tem uma imaginação trabalhada. Geralmente, copia os textos pesquisados da internet, mas não os lê, não os interpreta. Não desenvolve a análise crítica, a capacidade de interpretação.

Aprender informática, saber se valer dos aparelhos tecnológicos, são regras para a sociedade hodierna. Porém, o computador não pode, de modo algum, competir com a leitura. Ele não pode ser visto como um substituto da leitura. É preciso que ambos caminhem par a par. Que o aluno seja estimulado para o hábito de ler e que o uso do computador seja adequado, dosado, usado com criatividade e raciocínio. Se é usado de maneira tradicional, de maneira automática, não acrescenta nada ao saber do aluno.

A inclusão digital deve ser conduzida com cautela, para não atrapalhar a formação cognitiva, a formação moral do aluno. A internet é a porta da rua, que faz o aluno ir a qualquer lugar do mundo, a situações convenientes ou inconvenientes, que elevam a alma ou a degeneram. Deve ser conduzida e orientada pelos professores da escola.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em junho/2005)

ACERTANDO OS PASSOS COM A MODERNIDADE

Izabel Sadalla Grispino *

As atividades humanas apresentam, desde os primórdios da civilização, com variações de intervalos cíclicos, comportamentos mais ou menos padronizados, que refletem seu “modus vivendi”.

Cada nova ordem social, promotora de mudanças, impulsiona a novos procedimentos, imprime seu cunho, a sua marca conceitual e metodológica de realização.

Já vai longe o tempo em que era possível desenvolver trabalho artesanal, unitário. Hoje, ainda, existe, sobretudo como idealismo, “hobby” ou lazer, ou como produto de civilizações mais primitivas ou de pequenas corporações.

Na contemporaneidade não há, praticamente, lugar para o trabalho individual. O grau de complexidade a que chegou o fazer humano passou a exigir, num mesmo segmento, diferentes formas do saber, incluindo, aí, o aproveitamento das vocações despertadas.

Presentemente, constatamos, nos mais diversos setores da sociedade, a incorporação de atitudes na linha da “parceria” “co-gestão”, “co-autoria”, “interação”, envolvendo “relações interpessoais”, “trabalho em equipe”.

O setor escolar, também, redefine posições. O trabalho individual cedeu espaço ao trabalho conjugado, cada vez mais explorado. Cooperam-se mutuamente: direção, professor, aluno e comunidade. O professor mantém com seu colega uma interligação horizontal – troca de experiências, conteúdos afins, adoção de critérios e linguagens comuns – e vertical – graduação seqüencial do conteúdo, no entendimento de que “o hoje não existe sem o ontem, o amanhã é o resultado do hoje”.

É uma realidade no cenário educacional a interdisciplinaridade, a contextualização, o construtivismo, a formação integral do aluno, através de uma educação democrática, libertadora, essencialmente crítica – a crítica da ciência faz parte da ciência. Ontem, falávamos em “transmissão do conhecimento”, supondo um aluno passivo, depositário. Hoje, falamos em “construção do conhecimento”, supondo um aluno ativo, criativo. Fazemos um corte no modelo tradicional, onde tudo vem pronto.

O planejamento maior do ensino converge para o binômio professor-aluno; o objetivo maior do ensino é o aluno. Para atingi-lo, a escola precisa estar em consonância com a realidade que a cerca. Entrosar-se com esta realidade e trazê-la para o interior da escola são passos importantes para desenvolver, com êxito, seu projeto educacional. Entra num sistema de parceria com a comunidade, mantendo com ela uma troca permanente. A comunidade participa da vida da escola e a escola, da vida da comunidade, procurando ajustar-se uma à outra. A comunidade empresta o seu saber e a sua língua populares e a escola os absorve e os transforma em saber erudito e em língua culta. A escola procura interpretar os valores, os anseios da comunidade e dar-lhe respostas favoráveis.

Cria-se um intercâmbio, onde a organização da escola, as normas educacionais resultam da parceria de regras, estabelecendo-se uma co-gestão.

Várias são as possibilidades de participação. A escola, ao lado da participação intrínseca – características de vida, de conduta, condições socioeconômicas – há a extrínseca: as comemorações cívicas ou sociais, eventos preestabelecidos, apresentações em acontecimentos de importância – e da comunidade para a escola, em datas oficiais – plano escolar, reuniões de pais e mestres, reuniões do Conselho de série/classe, eventual formação de colegiado. Participa, ainda, de exposições, encontros literários, artísticos, campanhas, das já tradicionais festas juninas, mutirões... numa conceituação bem diferente daquela em que, praticamente, só se chamava o pai para reclamar do filho, por alguma falta cometida.

Hoje, procura-se conscientizá-lo de todo procedimento utilizado, buscando-se uma mútua interação. Profissionais credenciados da comunidade são convidados a participar diretamente do ensino, em sala de aula, dando noções de culinária, de carpintaria, de dança, de balé...

O ensino nas escolas, visando uma aprendizagem efetiva, uma diminuição da repetência e da evasão, não pode criar uma cultura própria, transformando a sala de aula numa estrutura dissociada da vida comunitária, por conseguinte, da vida do aluno.

Estamos voltando às origens, à famosa barganha do início da humanidade, perpetuando a sabedoria da solidariedade, da cooperação, para a sobrevivência das instituições e do próprio indivíduo.

A parceria propicia o exercício da cidadania, abre a escola para a crítica, permitindo participação consciente, tomada de decisão co-responsável, maior engajamento de todos. Culmina com uma participação ativa e não meramente simbólica, como, por exemplo, dos pais. A tendência atual é canalizar a sociedade civil para uma grande participação na educação.

Entre os professores, a parceria manifesta-se por uma co-autoria no levantamento de prioridades, de objetivos educacionais, de conteúdos afins, de metodologias, de estratégias, do sistema de avaliação e tantos outros itens correlatos, pertinentes ao planejamento de ensino. Trocam experiências e idéias que repercutem na identidade profissional do ensino.

* Supervisora de ensino aposentada.          
(Publicado em agosto/2005)

SAÚDE ALIMENTAR E POSTURAL DO ALUNO

Izabel Sadalla Grispino *

A escola, de hoje, atua dentro de conceitos abrangentes, em benefício da educação integral do aluno, conceitos que vão além da simples transmissão do conhecimento. Ao lado do conceito “sujeito de direito”, assunto por mim abordado em um artigo anterior, ela trabalha o conceito de saúde alimentar. Preocupada com a saúde da criança, com problemas de obesidade, acarretando, já na infância, alta de colesterol, de triglicéride, provocando doenças cardíacas, renais, passa princípios de boa nutrição. Ensina alunos, pais, comunidade escolar, a importância de uma comida balanceada.

Leia Mais

A DIFÍCIL ARTE DE EDUCAR

Izabel Sadalla Grispino *

No meu artigo “A outra face da educação” abordei a crescente onda que se forma de crianças e jovens malcriados, em desencontro à boa educação. O grande mal-estar gerado leva os próprios jovens a solicitar o ensino da ética, da moral, nas escolas de ensino médio, segundo uma pesquisa realizada pela U.F.P.A.

Leia Mais

A COMPETITIVIDADE DOS MERCADOS GLOBAIS

Izabel Sadalla Grispino *

A sociedade, líderes empresariais, começam a se preocupar seriamente com a educação no Brasil. Buscam se comprometer com ações concretas para melhorar o ensino, especialmente em língua materna e matemática. Procuram criar para o problema da educação um envolvimento nacional, num desafio extraordinário.

Leia Mais


Reconhecimento

Premiado pelo Buscaki

buscaki

I.S.G

izabel1

Colaboração

Slideshow Image 1

Novos Jogos

eduespc

Vídeos

videos

Visitante Número