Payday loans uk
  1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

Artigos Educacionais

  • Previous
  • Next
  • Stop
  • Play

HABILIDADES DE APRENDIZAGEM

Izabel Sadalla Grispino *

A educação é a principal chave de abertura para um esperançoso futuro. Entender a clientela escolar, em suas manifestações em sala de aula, é, talvez, a maior estratégia da escola. Ela trabalha com crianças digitais e eletrônicas, mas sem deixar de ser crianças. A diversidade, a diferença comportamental pedem o difícil atendimento individual, tratar cada criança como se fosse única.

A experiência tem demonstrado que é melhor ter alunos desregrados, dispersivos, mas conectados e inventivos, que alunos bem comportados e obedientes, mas isolados, pouco comunicativos.

O aluno, às vezes, mostra uma participação excessiva, excessiva vontade de confrontar, gerando atrito, certo desconforto; mas são esses alunos que, comumente, alçam vôo e não os regulados por ordens superiores, sem a ousadia de externar opiniões, participar de decisões, privando-se de se tornar sujeitos ativos no processo do conhecimento. O aluno, emancipando-se, caminha com mais autonomia pela vida afora.

Há toda uma rede de informações implícitas nos comportamentos expressos pelos alunos. Dessa maneira, o professor pode levá-los ao autoconhecimento, proporcionando-lhes a segurança necessária para vencer desafios, para conviver com as diferenças e adaptar-se mais facilmente às transformações da sociedade.

Um grande desafio, hoje, da escola é a formação de uma boa equipe de trabalho. Só com um pessoal bem treinado, altamente qualificado e comprometido com a educação, é possível formar alunos construtivos e idealistas. O corpo docente, na atualidade, investe na carreira como pesquisadores e como professores. Formula projetos pedagógicos com diretrizes modernas e ambiciosas, onde o aluno, jamais sujeito passivo, deixa de opinar e interferir.

Um outro aspecto de escola, que luta para garantir motivação aos alunos da geração web, é contar com professores especialistas em pedagogia e em informática, capazes de dominar os recursos de última geração.

Além de um eficiente sistema de orientação de estudo, a escola necessita ter um revolucionário material didático multimídia, um portal de educação, salas do futuro. Seus profissionais desenvolvem e trazem para a sala de aula, de forma integrada, os principais e mais avançados recursos tecnológicos educacionais, especialmente no ensino médio. As mais renomadas escolas oferecem um completo portal da Internet, que permite integração com o ambiente escolar a alunos e familiares.

Educar para a modernidade exige abrangência de conhecimentos, atualização constante e visão aprimorada do contexto social, nacional e internacional. Exige um profissional de caráter renovador, antenado ao mundo. Pagar  bem os professore é uma forma de estimulá-los a se aprimorar e a corresponder à exigente sociedade contemporânea.

* Supervisora de ensino aposentada.            
(Publicado em julho/2007)

AÇÃO MULTIDISCIPLINAR NA ESCOLA

Izabel Sadalla Grispino *

Além de o sistema público de ensino oferecer um desempenho muito inferior ao necessário, para uma sociedade cada vez mais centrada no conhecimento e na avançada tecnologia, marca preocupante presença no mundo da violência.

Escolas situadas em bairros pobres de periferia ou nos grandes centros conturbados pela desordem precisam de ajuda multidisciplinar para conseguir um ambiente tranqüilizador ao ensino da aprendizagem.

Muitas escolas trabalham com as famílias dos alunos, buscam o envolvimento da comunidade em suas iniciativas e desenvolvem práticas ligadas à sua realidade socioeconômica. Contam com forte apoio dos pais, principalmente, na fiscalização da freqüência e no controle das lições de casa. A escola sabe que a família é a base e incentiva-a a freqüentá-la, ajudando-a tornar seus alunos mais responsáveis, mais ordeiros.

Dentre as múltiplas causas que concorrem para a decadência do ensino uma é a violência, manifestada sob os mais variados aspectos. Alunos baderneiros, indisciplinados, frutos ................ da omissão de pais por uma educação regulada em normas, princípios e limites e frutos de uma sociedade violenta, permissiva, aliciadora. Toda essa conturbada situação explode na escola.

Há situações em que a escola se sente impotente para harmonizar o seu ambiente conturbado. Professores chegam a ser ameaçados, física e moralmente, por gangues e alunos. Conscientizar alunos e pais vai além do que se faz necessário. Em casos mais agressivos, a escola vem recorrendo à justiça, à promotoria responsável pela vara da Infância e a Adolescência, na busca de ajuda às graves situações.

O que se consta é que quando a escola encontra respaldo na autoridade judicial ela consegue aplainar a violência, avançar na ordem e na disciplina. Temos notícia, pela mídia, de uma atuação devotada e competente de um promotor público, que não hesita em formar fileiras às escolas necessitadas de ajuda.

Alunos-problema que tentam desorganizar a escola, queimando cortinas, quebrando carteiras e cadeiras, pichando muros e lousas, envolvendo-se em brigas com desordeiros são, pelo promotor, obrigados a cumprir penas disciplinares, a consertar o que destruíram ou prestar serviços comunitários.

Verifica-se que a grande maioria se recupera e o vandalismo na escola, praticamente, desaparece. Os mais violentos, que reincidem nos atos de violência, têm seus pais chamados pela justiça e forçados a pagar os prejuízos.

Também, no caso de alunos faltosos, em escolas com alto índice de evasão, os pais são chamados para conversar, para se conscientizar da necessidade da permanência dos filhos menores na escola. Se a ausência persiste, os pais recebem ordem de prisão, apoiada no Código Penal, sobre o crime de abandono intelectual. No município, onde tal ato ocorreu, a evasão caiu de 20% para zero.

Esses fatos comprovam a necessidade de rigor, de autoridade, de força conjugada, para o bom desfecho da agressividade. Em muitas localidades, a escola não se supre mais. Reforço da comunidade, dos pais, da Igreja, da justiça são-lhe imprescindíveis. A desestruturação da instituição escolar, por problemas de violência, afeta toda uma sociedade, que não pode fechar os olhos para esse sério quadro.

A conscientização de se juntar as mãos para reabilitar o ensino precisa avançar. Esse é o ponto em que chegamos e se cruzarmos os braços onde chegaremos?

* Supervisora de ensino aposentada.    
(Publicado em fevereiro/2007)

A BIBLIOTECA ESCOLAR

Izabel Sadalla Grispino *

A biblioteca é um recurso didático indispensável no processo de aprendizagem. A adoção, pela escola, do método construtivista coloca a pesquisa na vanguarda da metodologia. Além disso, como despertar o aluno para a imperiosa leitura, como criar o hábito de ler, sem a existência de sua matéria-prima?

FRATERNIDADE E EDUCAÇÃO

Izabel Sadalla Grispino *

Relendo o texto “Fraternidade e Educação”, lançado pela Igreja católica, na Campanha da Fraternidade, há três anos, voltei à riqueza da informação, sua atualidade e interação. Comento-o, parcialmente, aos prezados leitores, que podem tomar conhecimento do texto-base, através das livrarias Paulinas, Vozes ou Loyola.

Há 38 anos, a Igreja católica, no seu ideal de fraternidade, criou, a cada quaresma, a Campanha da Fraternidade. Desde então, todo ano, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) oferece, no período da quaresma, uma questão problemática da atualidade à reflexão e à ação dos católicos.

No período da quaresma de 1998, a Igreja selecionou, para a Campanha da Fraternidade,  o tema “Fraternidade e Educação”. O desgastado diagnóstico da falência do ensino público, as revelações estatísticas da miséria e seu aliado, o analfabetismo, inspiraram o lema da campanha, cujo enunciado traduz, por si só, o conteúdo nele contido: “Educação a serviço da vida e da esperança”.

O então presidente da CNBB, cardeal-arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Lucas Moreira Neves, disse: “Nossos legisladores e governantes, no âmbito nacional, estadual e municipal, são os primeiros a reconhecer que o item educação constitui uma inveterada e, até agora, incurável ferida no flanco desta nação”.

Essa campanha move-nos pela visão abrangente, realista que traz da educação, pelos aspectos complementares que situa para a educação escolar. Seguindo a linha humanitária do educador, que honra sobremaneira nossa terra, Paulo Freire, a Igreja clama por uma educação alicerçada no amor, na consciência social, na justiça, na verdade. Clama por uma educação que espalhe a sementeira pródiga das virtudes essenciais do Homem, as únicas capazes de levá-lo à plenitude de suas realizações. Promove um verdadeiro processo de construção coletiva na área humana e social. Chama a atenção para os oprimidos, para os marginalizados e para o grande número de analfabetos.

Alerta-nos para o fato de estarmos juntos, buscarmos juntos respostas amenizadoras da desigualdade social. A situação presente e as perspectivas para o futuro devem merecer a preocupação de todos. Preocupação que deve viger pelo tempo que perdurar a dolorosa “via crucis” que percorre o analfabeto brasileiro.

A Campanha da Fraternidade coloca-nos num questionar filosófico, no qual as respostas nunca são fechadas, acabadas, mas respostas que abrem alternativas de soluções. Respostas a questões, por exemplo, de como auxiliar crianças e jovens a encontrar significado na educação, na família, no mundo, de como podemos contribuir para a formação de uma cidadania ética e responsável no contexto em que se vive?

A doutrina social da Igreja sempre se baseou na filosofia da solidariedade, a serviço do agir. Não quer se limitar a “uma atitude de simples observadora ou fiscal da realidade nacional”. Quer uma filosofia em função do agir: “O agir requer o engajamento pessoal e organização de forças coletivas”. Essa filosofia prioriza o ser humano, toma o termo educar no seu sentido etimológico: o verbo e-ducere, que quer dizer tirar do indivíduo a pessoa humana que está dentro de si, em latência. O educador deve trabalhar a criança não apenas de fora para dentro, quando, pelo conhecimento, ele vai polir uma pedra bruta, mas, especialmente, de dentro para fora, quando, pelo desenvolvimento do senso religioso, ele vai sedimentar a cultura da alma.

A filosofia da educação, abraçada pela Igreja, quer a educação formal, sistemática, ministrada na escola em seus diversos graus, caminhando lado a lado com a educação informal, recebida, de maneira assistemática, na família, na Igreja, no convívio social. A Igreja, em sua metodologia avançada, vê na educação informal o grande veículo do desenvolvimento das faculdades formadoras do caráter, da virtude. Essas características, por sua vez, irão formar a consciência, moral e religiosa, do indivíduo.

A Igreja não subestima a educação institucionalmente organizada; valoriza-a, sabe ser ela importante para a humanidade, para se chegar a um estágio superior do conhecimento, ultrapassando as barreiras do nefasto analfabetismo. Essa educação é, sem dúvida, a grande coadjuvante da eliminação da pobreza e o grande suporte à realização profissional. Nesse sentido, a Igreja católica luta por uma educação democrática, universal, gratuita, de boa qualidade, conforme reza a Constituição. Luta por uma democracia que venha de encontro à cidadania; uma democracia capaz de cumprir as finalidades para as quais foi instituída, porque, por vezes, sentimos como se existisse democracia para ser servida e não o contrário.

O homem se completa na junção da instrução e da formação. A instrução é de responsabilidade da escola; a formação é, especificamente, responsabilidade da família: “A educação vem do berço”. Porém, em ambas, há uma inter-relação de comunicação e de responsabilidade: a escola, na sua função social, reforça e complementa a formação do educando e a família fornece-lhe, na prática diária, os conhecimentos necessários e úteis à sua ação rotineira.

Um dos pilares de sua conceituação é de que a educação não se restringe à escola; é papel, também da família. Assistir a família, dar-lhe condições de sobrevivência digna, esperançosa de dias melhores é o grande apostolado. Os bispos, conscientes da problemática social, perguntam-se: “Como é possível neste contexto crescente de miséria, insegurança, instabilidade, ausência de pai ou de mãe, garantir aos filhos e às filhas as bases de uma personalidade equilibrada e segura, de uma educação adequada e os horizontes de uma vida digna, participativa e de esperança?”

DA NECESSIDADE DE UNIÃO DE FORÇAS – A doutrina da Igreja incentiva o diálogo permanente com a sociedade, promove o encontro dos diversos setores de atuação que têm, até, acepções diferentes, mas, enriquecedoras de uma mesma realidade. “Igrejas, comunidades, movimentos sociais, ONGs, associações, sindicatos, partidos políticos, exercem uma ação educativa na medida que (...) as pessoas têm voz, aprendem a participar, a relacionar-se com os outros, a valorizar o trabalho em comum, a procurar a cidadania...”

O documento da Campanha da Fraternidade apresenta um trabalho primoroso de levantamento estatístico: nível de escolaridade de crianças e jovens, analfabetismo, com uma descrição singular sobre o novo perfil dos analfabetos funcionais, investimentos na educação, salário dos professores e outros.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em novembro/2000)

NOVOS TEMPOS, NOVAS METODOLOGIAS

Izabel Sadalla Grispino *

Idéias revolucionárias surgem no horizonte social, na tentativa de alcançar o comportamento delinqüente. A psicologia, grande aliada da educação, dita novas normas de conduta, para essa nova era que vivemos.

Assumindo a realidade que se nos impõe – a desordenada violência, gente inocente morrendo, assaltos diários, as pessoas com medo de sair à rua, todo mundo sujeito a tomar um tiro em qualquer lugar – a sociedade repensa seus métodos de atuação. Todos sentem saudades das cadeiras na calçada, do bate-papo descontraído entre vizinhos, amigos. Isso ficou no passado e, queiramos ou não, temos que nos adaptar à realidade de um mundo violento e sem força de lei.

A bandidagem é uma realidade social, não podemos ignorá-la. Convivemos com ela no dia-a-dia. Assim sendo, precisamos encontrar caminhos que a alcancem, que a desestruturem. Sociólogos, psicólogos sugerem mudança radical no relacionamento de bandidos com autoridades locais. Chamá-los à mesa de conversação, ouvir o que têm a dizer, o que têm a reclamar e o que propõem. Tentar falar a sua linguagem para poder modificá-la, elaborar planos comuns, na perspectiva de objetivos comuns.

Deixá-los sozinhos já está comprovado que o esquema da violência prolifera. Tê-los, de alguma maneira por perto, pô-los em atividades que resultem em benefícios próprios. Criar iniciativas que sirvam de celeiro de novas idéias no combate à violência. Montar estratégias que os envolvam em ações coletivas, que os despertem para a autovalorização, para o auto-respeito, elevando a auto-estima.

O processo, agora, é da aproximação, da infiltração, da análise das carências que se escondem atrás dos atos da bandidagem. Sabe-se que entre os favelados há uma certa cumplicidade, um forte espírito de coletividade. Os poderes locais, abrindo um canal de diálogo com os líderes infratores, estão abrindo força de comunicação com todo o grupo e podem trabalhar para alterar a situação.

A integração é uma forma de transformar a realidade e esta transformação está intimamente ligada à conciliação, à condição e perspectiva de vida, à valorização pessoal. Atraí-los à participação, a interessar-se por algo que tenha significado e ligação direta com suas vidas. Incorporar a contribuição que possam dar. É preciso mudar a tática, estabelecer um novo padrão de atendimento, dando ao desajustado armas para que possa, ele mesmo, encontrar soluções para seus problemas, para que se sinta capaz de atuar com responsabilidade.  A revolta, o abandono reforçam a bandidagem e, segundo consta, nas favelas, em todo o mundo , existe sensação de perigo, de hostilidade.

Trabalhar na criação de associações comunitárias, de centros de esportes, cuidar da educação, da saúde, dar ao bandido condições de competir. Incentivar procedimentos comuns e de valia, como são, por exemplo, os mutirões. Ensinar as comunidades a se organizarem, a se mobilizarem para conseguir recursos e, sem dúvida, ajudar pessoas que se ajudam é bem mais fácil. Trabalhando os líderes, é possível formar bases comunitárias fortes, capazes de se enveredarem pela senda do trabalho. O entrosamento é uma esperança de transformação. O isolamento significa manter o “status quo” reinante, com tendência a aumentar.

Mostrar interesse, dar suporte, atender reivindicações na criação de políticas integradas, fazem a diferença na vida das pessoas. Sob o aspecto de melhoria de condições de vida, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou o projeto força-tarefa que visa melhorar moradias precárias nas favelas, na tentativa de urbanizá-las. O objetivo dessa força-tarefa, uma das dez criadas pela Declaração do Milênio, é melhorar as condições de vida de 100 milhões de favelados até 2020.

Em setembro de 2000, a Declaração do Milênio estabeleceu uma agenda com os principais problemas que impedem o desenvolvimento sustentável, sob três enfoques: paz, meio ambiente e pobreza. O Projeto Milênio criou 10 forças-tarefas, entre elas a que mostra a importância da questão das favelas.

Dada a relevância da situação, espera-se que o compromisso de abrandar a violência não seja apenas do governo, mas da sociedade como um todo, criando no Brasil, dentro da mentalidade exposta no artigo, um pacto social. Pacto que se reverteria em projetos para melhorar as condições de pessoas carentes, marginalizadas, aproximando-as da comunidade.

Estamos começando uma nova era na história da humanidade com a quebra rígida do isolamento existente entre as classes sociais?

Para novos tempos, novas metodologias!

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em abril/2003)

ENSINO RELIGIOSO

Izabel Sadalla Grispino *

Os caminhos conturbados, que cercam a juventude atual, levam as escolas a pensarem seriamente na abordagem do ensino religioso. Não é o ensino da religião em si, mas do sentido de religiosidade, de educar para o bem, para o amor, no caminho da solidariedade.

Dentro do respeito à diversidade religiosa, sem ferir os princípios constitucionais de liberdade de credo, colocar a presença de Deus na vida da criança é importante.

O ensino religioso já existe na rede estadual do Estado de São Paulo, apenas na 8.ª série, desde 2002. Não tem caráter obrigatório, os alunos, com seus pais, decidem se vão ou não participar das aulas. O conteúdo das aulas não é confessional e trata da história das religiões, dos pontos em comum entre elas e do sentido de tolerância. Segundo a Secretaria Estadual da Educação, os professores de história, filosofia e ciências sociais estão habilitados para dar a disciplina.

O ensino religioso é previsto pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) de 1996. O conteúdo da disciplina deve ser oferecido de acordo com as preferências dos alunos ou de seus responsáveis. A LDB permite que as aulas sejam confessionais ou  interconfessionais.

No Estado do Rio de Janeiro, os alunos, desde 2004, no governo de Rosinha Matheus, são separados por credo, para receber ensino religioso. Contratam-se professores para ensinar as doutrinas católica, evangélica, espírita, umbandista e messiânica.

A religião abre um vasto caminho em direção à espiritualidade. Ela alcança a educação da alma, da formação do caráter, dá ao homem a dimensão superior da existência. Embora sejamos dotados de fé católica, não importa a que religião pertencemos, a que Deus nos referimos, o que importa é o senso religioso, que vem carregado de mensagens de amor, de justiça, de humanidade. Esse sentido, em seus atributos, prepara o ser para as virtudes essenciais do viver, estrutura a alma para os embates da vida.

Já aprendíamos com os filósofos gregos de que “a alma de toda cultura é a cultura da própria alma”. É essa cultura que vai engrandecer o ser humano, tornando-o autêntico filho de Deus, Aquele que nos ensina a olhar nossos semelhantes como irmãos. É a cultura da alma que aprofunda e humaniza o olhar da ciência, da literatura, das artes. Ela nos ensina a sermos solidários, a dividir, a somar, nunca subtrair.

É muito importante passar esses conceitos às crianças. Guardamos, no percurso da existência, o fervor religioso adquirido na infância. Nessa fase, uma vez plantadas as raízes dos bons sentimentos, da devoção a Deus, elas crescem com o organismo, se firmam e dificilmente serão abaladas.

A religião conforta-nos nos momentos de dor e nos momentos alegres, dá-nos a tranqüilidade do bom caminho. Enriquecemo-nos com seus ensinamentos, ganhamos em aceitação, em encaixe real da existência: As rosas é que são belas / Os espinhos é que picam / Mas, são as rosas que caem / São os espinhos que ficam.

Independentemente das teorias religiosas ou anti-religiosas existentes, são as luzes da alma que conduzem o ser às realizações positivas e essas luzes, seguramente, não são fruto da matéria. Essas luzes são dos nossos sentimentos, do nosso espírito, da parte inatingível do nosso ser, do nosso psiquismo, da nossa conduta e não carece de método experimental, de comprovação científica, para assegurar a sua existência.

A conscientização da educação religiosa deve partir da escola e chegar à sociedade.  O  ser  sem fé é um ser amargo, ressequido, árvore que não floresce, que se quebranta, aos poucos, antes de morrer. A própria razão nos conduz à fé, nos ensina que precisamos dela para viver melhor.

O sentimento de religiosidade é sustentação, é conforto na estrada íngreme da existência. Ele é a certeza do bom caminho que trilhará o indivíduo.

* Supervisora de ensino aposentada.
(Publicado em agosto/2006)

FELIZ ANO DE 2007

Izabel Sadalla Grispino *

Desejo a todos meus leitores um 2007 de paz, saúde e prosperidade. Um ano de luz, de confraternizações e esperanças. Que o homem, neste ano, seja motivado à participação e à solidariedade.

Alargando os votos de um ano feliz, desejo que, no exercício da cidadania, toda a sociedade civil assuma uma participação ativa, consciente, nas questões sociais, co-responsabilizando-se com o Estado, na formação de um mundo mais igual, menos injusto.

Aprendamos a reforçar em nós o sentimento do bem, do amor, dividindo, um pouco que seja, do que temos, para os que nada têm. A luz do sol é farta, nasce para todos. Por que não dividi-la, afastando caminhos rotos?

Aprendamos a reforçar em nós o conceito de humanidade e tentar pô-lo em prática no nosso dia-a-dia. Somos os grãos humanos reprodutores da existência, somente dentro de nós, a ética da vida, sua consciência.

Guardemos a esperança de que, neste ano, a conscientização sobre a educação, como único caminho possível para a redenção dos problemas sociais, tome conte das preocupações gerais da nação. Que haja um grande esforço governamental para oferecer às nossas crianças, aos nossos jovens, uma educação que corresponda às necessidades reais da sociedade. Não apenas uma escola que diplome, mas uma escola que ensine com qualidade, que ofereça mão-de-obra capaz, apta ao serviço a que se destina.

 

MEDITAÇÃO

O Ano-Novo não é novo,

É uma convenção do povo,

As intenções é que são novas,

Nos conceitos que se renovam.

Aprimoremos, pois, nossas ações,

Aprimoremos nossos sentimentos,

Se quisermos ver um dia

A terra girar em paz, no firmamento!

A vida é feita de anos corridinhos,

Na ilusão, ano vai, ano vem,

E, como tal lebre rapidinha,

Vai levando o homem pro além.

O tempo é uma roda-gigante,

Oscila sem parar, pra baixo e pra cima,

É um traiçoeiro amante,

Pela fugacidade prima.

Que Deus alerte nosso viver,

Nos dê da luta a medida certa,

Pensamento que desponte o alvorecer,

Canção divina, salmo da floresta!

Fé na vida, fé no amor!

Que os dias, ao longo deste ano,

Espalhem canteiros de flor,

Paz no campo e no centro urbano.

Louvemos o ano de 2007,

Louvemos Nosso Senhor,

Rezemos pelo homem,

Rezemos pela fome!

 

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em dezembro/2006)

EDUCAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS

Izabel Sadalla Grispino *

Costumeiramente, ouvimos a frase: “Educação é a primeira necessidade do homem depois do pão”. Eu me permitiria dizer: educação antecede, acompanha e sucede ao pão. São, na melhor das hipóteses, necessidades concomitantes: educa-se à medida que se dá o pão. O alimento sem a educação tem vida curta, logo degenera.

Educação abarga, de forma primordial, todos os aspectos da vida humana. Implementa-se uma biblioteca, enriquece-se a ciência da nação. “Constrói-se uma escola, fecha-se uma cadeia”, já nos dizia, no século XIX, o famoso escritor francês Vitor Hugo.  Isso há  mais de um século,  imaginem a força dessa expressão nos dias atuais. Só a educação pode salvar o mundo da avalanche da criminalidade, da violência juvenil, que nos assolam e nos amedrontam.

Educa-se a criança para não chorar o adulto. O resgate da juventude passa pela educação, a recuperação da sociedade passa pela educação. A educação ensina o homem a ter força na mente, não nos braços, não na violência.

Não se mede o preço da semente educacional. Dinheiro despendido em educação não é gasto, é investimento. Investir na educação é a saída honrosa para mudar a cara do País. Sem uma educação de qualidade, o brasileiro será apenas receptor de tecnologia, jamais produtor.

Não se transforma a realidade social pela caridade. É preciso dar condições para o indivíduo crescer. Corresponde ao provérbio: “Não dê o peixe, ensine a pescar”. O desenvolvimento do país é a soma do desenvolvimento individual. País de povo pobre, inculto, despreparado, jamais será uma grande potência. Quando um povo sabe para onde vai, o mundo se afasta para deixá-lo passar.

Hoje, sabemos, a estratégia não é mais o petróleo, a energia ou o asfalto. A estratégia, hoje, é investir em gente: educação, saúde, segurança. O capital do presente é o conhecimento. Não se pode pensar em desenvolvimento econômico, em democracia social, sem cuidar da educação, da cultura. O grande estadista norte-americano Abraham Lincoln dizia: “Ninguém salva o povo; o povo se salva a si mesmo, através da escola”.

Uma guerra não se ganha com discurso, se ganha com armas. Na guerra pela desigualdade social, pela violência, a educação é a maior arma.

É mister que a sociedade tome conhecimento do papel da educação. Campanhas de esclarecimento, palestras, deveriam chegar não só à escola, aos pais e aos professores, mas a toda sociedade, para que houvesse participação consciente e colaboração no desenrolar de metas estabelecidas.

A cobrança da sociedade por mais e melhores resultados, no Brasil, ainda é pouco significativa. Na Inglaterra, por exemplo, a pressão da sociedade por uma escolaridade de melhor qualidade é fortemente marcada. Essa sociedade, muito exposta à competição internacional, levou os ingleses a exigir do governo “armas para uma competição justa e educação é a primeira delas”. Na Inglaterra, o salário dos professores teve os melhores reajustes de toda a Europa, sob governo conservador! Comportamento semelhante constata-se no Canadá.

Tem-se, hoje, que a pressão social funciona como instrumento saudável, quando baseada em critérios de qualidade, de seriedade. Em nossa sociedade, já começam despontar luzes indicadoras de intenções políticas. A educação está sendo fortemente questionada e colocada num grau absoluto de prioridade. Economistas, ao registrarem  a  falência  do  nosso  ensino, concluem: “País que não luta por uma boa escola é país que trabalha contra si mesmo”. Mário Henrique Simonsen afirmava: “O orçamento da educação pública não é despesa a fundo perdido. É investimento com retorno garantido”.

Pedro Ferreira, economista da Fundação Getúlio Vargas, autor do livro: “No Brasil não se gasta pouco, gasta-se mal”, mostra a importância da educação no crescimento da economia. Diz que o baixo grau de escolaridade da população brasileira compromete o desenvolvimento econômico do País, torna difícil a incorporação de novas tecnologias e de novos métodos de organização de trabalho. Afirma que a situação atual do ensino no Brasil afeta diretamente as perspectivas de crescimento da economia. Se o Brasil tivesse um sistema de ensino semelhante aos melhores da América Latina, estaria, hoje, 40% mais rico.

Pedro Ferreira relata uma pesquisa internacional em que alunos brasileiros disputam com Moçambique – entre 20 países – o pior desempenho em Matemática e Ciências. Mostra que o Brasil possui a pior distribuição de renda do mundo e a causa principal é a desigualdade educacional. “O problema do Brasil não é de quantidade, mas de qualidade do sistema educacional, bem como de distribuição de recursos”. Cita dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que mostram as distorções do Sistema de Ensino no Brasil. As universidades, com apenas 3% do total de alunos do País, recebem 39% dos recursos do governo destinados à educação. Enquanto isso, o ensino básico, com 88% dos alunos, recebe 52%. Gasta-se, portanto, 22 vezes mais em um aluno universitário do que em um aluno do 2º grau.

Embora haja desproporcionalidade, isso não significa que as universidades estejam recebendo bem, significa que todos os graus de ensino estão sendo muito mal atendidos, caracterizados como de ruim situação. A verba destinada à educação é, sob todos os aspectos, irrisória, difícil de se aceitar!

O descuido pela educação parece ter tido a aquiescência de grande parte da área produtiva. O economista José Márcio Camargo diz que: “Iludida pela mão-de-obra farta e barata, a economia brasileira contentou-se em produzir empregos ruins, com salários péssimos”.

A saúde da educação depende, indubitavelmente, da boa formação de seu quadro docente, mas não depende menos da qualidade de vida que esses mesmos docentes venham a ter, assim como da melhoria de suas condições de trabalho. Se quisermos avanço, precisamos fazer um bom diagnóstico da realidade social, sem preconceitos, sem máscara do que está acontecendo. “Tem que lavar os olhos”, como dizia Darcy Ribeiro, o autor da nova “Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional” (LDB).

* Supervisora de ensino aposentada.
(Publicado em maio/2000)

NOVAS EXPERIÊNCIAS EDUCACIONAIS

Izabel Sadalla Grispino *

Atualização constante, reciclagem de conhecimentos, experiências educacionais em sintonia com as mudanças mundiais, são pré-requisitos para uma segura atuação docente.

A educação básica tem se preocupado cada vez mais com a educação integral. Na educação infantil, fase da formação do caráter, o ambiente escolar é focado na educação. Garantem-se todos os direitos da criança, especialmente o de brincar. Brincando, ela vai aprendendo regras, noções de ordem, espaço. Torna-se mais independente, sabe escolher e é mais sociável.

Escolas há que vêm adotando novas propostas educacionais. Nelas só se ouve, praticamente, a voz dos alunos. Entendem que o professor não precisa levantar o tom de voz para falar a uma criança. Ela compreende o que se quer dizer quando se fala olhando diretamente nos olhos. Nessas escolas, apesar de bem pequenas, as crianças não andam em filas, não sentam em carteiras enfileiradas e não são obrigadas a desenvolver nenhuma atividade que não queiram. Primam pela individualidade e independência. Contudo, observa-se que as crianças respondem prontamente aos chamados, o que, geralmente, são convites para atividades agradáveis, programadas.

Os estímulos para a aprendizagem estão por toda a parte, desde as pinturas no chão, até as cestas de lixo. A criança vai adquirindo visão das coisas, de modo mais saudável, mais ordeira. Elas se encarregam de transmitir à família, aos pais, conceitos adquiridos na escola, como, por exemplo, costumam chamar atenção quando alguém joga papel na rua ou quando alguém fala palavrão. A criança é um grande veículo de educação na comunidade.

As escolas trabalham muito integradas com os pais. A pintura dos desenhos do chão é, por exemplo, mudada periodicamente e os pais oferecem-se para fazer retoques, assim como participam diretamente de outras atividades.

Ultimamente, vem-se notando que os pais estão ficando cada vez mais dependentes da escola. Eles delegam à escola parte da responsabilidade que são deles e o reflexo dessa transferência é o aumento da procura pelo ensino em período integral. O que parece é que eles dão excesso de liberdade aos filhos, necessitando, depois, de freios externos. Outros não sabem como lidar com certos problemas, como o das drogas e necessitam da ajuda da escola.

É preciso que os pais se conscientizem de que a escola tem um papel complementar na educação de seus filhos, embora faça parte de seu papel discutir sexo, drogas, cidadania, valores morais, respeito ao meio ambiente...

Uma pesquisa realizada pelo Sistema Anglo de Ensino, no fim de agosto do corrente ano, com pais de alunos matriculados em escolas de educação infantil, até em cursinhos do País todo, revela que os pais querem uma escola disciplinadora, que discuta todo tipo de assunto com seus filhos, em especial as drogas. O estudo foi realizado com 16 mil famílias de classes A e B que têm filhos em escolas particulares e mostra essa dependência dos pais às escolas, fato que os educadores e psicólogos já haviam constatado na prática.

Quando questionados, em três itens principais, sobre o que os levariam a mudar o filho da escola, a resposta, em ordem decrescente, foi: a) problemas com drogas (68,9%), b) o aumento das mensalidades (43,8%) e c) o pouco rigor na disciplina (32,4%). Sobre as características mais importantes que os levariam a escolher uma escola, os pais colocaram, em primeiro lugar, o bom ensino e os bons professores (74,1% das respostas), em segundo, um “método moderno” (50,4%) e, em seguida, a mensalidade adequada ao orçamento (35%). Segundo o Sieesp, a mensalidade média, na rede particular em São Paulo, gira em torno de R$ 500,00.

Os pais ao serem consultados sobre o que esperam da escola com relação às drogas, deram as seguintes respostas: 71,6%, orientação e campanhas de combate ao uso; 64,5%, fazer parcerias para programas de prevenção; 27,9%, repelir duramente e 3,4%, não deve tratar do assunto.

Uma outra séria questão diz respeito à orientação de prevenção, para crianças de 4 a 6 anos, à aids e a doenças sexualmente transmissíveis. Até pouco tempo, discutia-se a viabilidade de tal precocidade, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) já aplica este novo modelo no Canadá, na Holanda, na Dinamarca e em Cuba, como medida de proteção à saúde, desde a educação infantil.

No Brasil, há uma proposta nesse sentido, quando, pela primeira vez, ela está sendo discutida pelos Ministérios da Saúde e da Educação, com o objetivo de criar uma política nacional de promoção à saúde nas escolas, que iria da educação infantil ao ensino médio. Entende-se que prevenção envolve o desenvolvimento, desde a infância, de competências para a vida, o que a OMS chama de life skills, como assertividade, auto-estima, capacidade de negociação, relações de gênero. Entende-se que prevenção a DSTs, aids e uso abusivo de álcool e outras drogas não pode se limitar à adolescência e deve ir além da abordagem específica desses assuntos.

As crianças que interiorizam esses conceitos desde cedo têm, segundo os especialistas, mais chances de chegar à adolescência menos vulneráveis. Para a consultora do Ministério da Saúde, Marina M. Valadão, “só se deve falar diretamente em camisinha, droga e aids para crianças de 4 anos se elas perguntarem. E elas perguntam e muito; estão sendo bombardeadas com mensagens erotizadas na TV e nos outdoors”. Como os pais não falam com facilidade de drogas e sexualidade, sobra para a escola abordar esses assuntos.

Para transmitir essas orientações, o Ministério da Saúde fornecerá aos professores, que lecionam desde a educação infantil, a partir de janeiro, amplo material de apoio, onde “aparecem sugestões de atividades específicas para estimular nos alunos formas de pensar que, no futuro, poderão se traduzir em prevenção”. O Ministério da Saúde vem buscando integrar-se ao MEC, para ilustrar conjuntamente os professores.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em novembro/2003)

PAIS OPINAM SOBRE ESCOLAS PARTICULARES

Izabel Sadalla Grispino*

Conscientizar é o ponto de partida para o amadurecimento do bom comportamento. Conscientizar através do diálogo, através de situações montadas.

Uma pesquisa realizada pelo Ibope, a pedido da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), com pais de alunos de classes A e B, em oito regiões metropolitanas, com filhos entre 7 e 17 anos, chegou a conclusões curiosas. Foram entrevistados, em dezembro de 2005, cerca de 1.000 pais. 90% disseram estar satisfeitos com as escolas particulares escolhidas. Ressaltaram a qualidade de ensino (41%), a localização das escolas (23%), a proposta pedagógica (18%), como razões pelas quais optaram pela rede particular.

Os casais, ao serem questionados sobre quais seriam os valores para uma boa escola, ressaltaram a liberdade, a justiça e o diálogo. Poucos valorizaram o fator disciplina, desprezando a disciplina rígida e apenas 12% citaram religião. As respostas ficaram assim distribuídas: diálogo, liberdade, 34%; justiça, cidadania, 34%; compromisso social, 32%; avaliação permanente, 29%; criatividade, 23%; disciplina rígida, 19 %; religião, 12%; trabalho, 9%; e participação política, 4%.

A rejeição por disciplina rígida é compreensível, mas nunca pela disciplina em si. A disciplina rígida pode tolher a liberdade de expressão, chegar às vias das práticas autoritárias, prejudicial à aprendizagem e à personalidade. Contudo, a forma disciplinar de se colocar em tudo na vida é indispensável para a busca do equilíbrio. É a disciplina que leva à autodisciplina, à autonomia intelectual, fatores considerados, hoje, tão importantes ou mais, para o desenvolvimento cognitivo, que o próprio ambiente cultural do aluno. A disciplina é um parâmetro forte para se exercer a liberdade, valor tão priorizado pelos pais, não a deixando cair no liberalismo, onde tudo é permitido. Os pais deveriam ter feito uma distinção entre disciplina e disciplina rígida.

O que a escola precisa ficar atenta é com a utilização do saber como fonte de poder: o professor detém o poder porque é aquele que sabe, o aluno, aquele que não sabe. O saber, embora tenha o seu peso, não pode ser determinante do poder. O poder não pode estar monopolizado, restrito a uma pessoa ou a um grupo de pessoas, mas estender-se a todos, um poder compartilhado, do aluno para o professor, do aluno para a escola, onde todos devem ter voz e vez. Um poder que ressurge do grupo, nunca imposto de cima para baixo. Isso, desde a colocação de procedimentos disciplinares, dos limites, os quais deverão ser elaborados, analisados com os alunos, antes de serem adotados.

Outro valor valorizado pelos pais, com acerto, foi o diálogo, valor essencial a qualquer tipo de educação. O diálogo também deve ser desenvolvido num ambiente onde haja cumprimento de normas, de regras definidas, para convergir em respeito mútuo.

A opção hoje não é pela disciplina do silêncio, mas pela disciplina do diálogo, que conscientiza e, por isso mesmo, favorece o compromisso, a cumplicidade, a vontade de acertar. Desemboca na educação libertadora, que faz do aluno o agente e o centro da aprendizagem, formando um aluno crítico, participando da transformação da sociedade.

O que causou estranheza foi a baixa porcentagem de pais que valorizaram o ensino religioso. É indispensável ensinar a ética, a moral e outros valores de sobeja importância à vida. Valorizaram a justiça, a cidadania, o compromisso social, mas relegaram a um plano menor os valores da fé, que tanto sustentaram e sustentam as civilizações humanas. A religião desenvolve no aluno os sentidos de solidariedade, de fraternidade, de justiça, que tanto faltam aos dias de hoje. São esses sentimentos que conduzem a um plano superior da existência humana, que falam de valores eternos, como o amor, a bondade, a compreensão, e que levam à paz. A religiosidade traz um aprimoramento pessoal, acarretando o aprimoramento social.

Não deveriam os pais refletir melhor sobre esse posicionamento?

Liberdade e diálogo ressaltados por eles são realmente muito importantes, mas sempre dentro de um equacionamento, de princípios a serem desenvolvidos e praticados. A organização da escola, as normas educacionais, os métodos de trabalho, devem sempre resultar da parceria de regras, no estabelecimento de uma co-realização. O trabalho individual, hoje, cede espaço ao trabalho conjugado, cada vez mais explorado, traduzido em responsabilidades mútuas. Não é mais o sucesso de um, é o sucesso de todo o grupo. Aprende-se o sentido de compromisso, o sentido de interligação, de intercâmbio, entendendo que a vitória é resultado do conjunto.

É, pois, num ambiente de mútua interação que se trabalham valores como liberdade, diálogo, justiça, tão preconizados pelos pais. Semear sem preparo, sem responsabilidade e critério é semear inutilmente, é jogar semente em solo árido, sem preparar a terra.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em abril/2006)

TRANSPORTE ESCOLAR

Izabel Sadalla Grispino *

Participei de um encontro de Pais e Mestres de uma renomada escola particular. Introduzi a reunião falando da importância da participação dos pais na vida e nas decisões da escola do filho.

A escola só é autêntica quando reflete a comunidade que representa. Para conhecer bem essa comunidade, ela tem nos pais seus maiores aliados. É um enriquecimento de via dupla, de ganho para os dois lados. Escola e pais trocam informações, fazem parceria de atuação.

Ingressar os pais no recinto escolar, fazê-los entender e participar de atividades, principalmente, extracurriculares são procedimentos seguros para o ajustamento do ensino ao perfil do aluno. As reuniões de pais e mestres devem ser programadas, preparadas com esmero, aprimorando-se na boa acolhida, passando e recebendo informações, inteirando os pais do andamento da escola, do processo de ensino-aprendizagem, do processo de avaliação adotado, da metodologia empregada. Deve ouvir os pais, ponderar sugestões, levantar questões, abordar normas disciplinares, entre outros quesitos pertinentes.

A escola deve esclarecer sobre o importante papel que os pais exercem nos conselhos de escola, conselhos responsáveis por uma série de decisões nas unidades, incluindo a definição do projeto pedagógico. Os conselhos, conforme regimento escolar, são formados pela diretoria da escola, professores, funcionários, pais e alunos. Além dos conselhos, há, também, as Associações de Pais e Mestres (APMs), de função relevante. Nas escolas estaduais, as APMs recebem recursos da Secretaria da Educação, destinados a pequenas reformas.

Os pais dão vitalidade à escola e em contrapartida, também, se fortalecem. Pesquisas provam que o rendimento do aluno é bem melhor quando os pais se interessam pela escola do filho, quando a freqüentam. Cumplicidade entre pais e escola é importante não só para detectar problemas dos alunos, mas, também, para buscar soluções. Quanto mais os pais participam, melhor é a gestão em todos os sentidos. A escola conquista credibilidade em razão da identificação mais próxima com o município. Mobilizar os pais para a escola é um desafio que deve ser perseguido.

Nos encontros, os pais colocam preocupações de ordem geral e particular. Na reunião citada, os pais levantaram uma questão, que demonstrava preocupação com o transporte escolar – um noticiário de TV mostrou o desespero de pais diante de um desastre ocorrido com uma perua que transportava seus filhos à escola. No  momento faltaram dados precisos para um total esclarecimento do assunto. No sentido da parceria, escola e pais ficaram de pesquisar, buscar informações e repassá-las a todos.

Dias depois, recebi de uma mãe o resultado de sua busca. Conseguiu esclarecimentos através do Procon e pediu-me que os publicasse em colaboração a outros pais, a outras escolas.

A Fundação Procon elaborou recomendações, cuidados que os pais devem ter na hora de contratar o transporte escolar. As informações são úteis, principalmente, nas grandes cidades que enfrentam problemas com peruas clandestinas.

Antes de qualquer contratação, o Procon recomenda que seja verificado o cadastro do veículo e do motorista na Prefeitura, isto é, se são credenciados na Prefeitura. Um selo deve estar colocado no pára-brisa. Isso quer dizer que eles atendem aos requisitos de segurança e manutenção.

  • Aconselha ouvir outros pais e direção da escola para obter referências do serviço.
  • Checar como o motorista recepciona a criança, onde ele estaciona o carro e exigir um contrato de prestação de serviço.
    • Verificar se há cinto de segurança para todas as crianças.
    • Verificar se as janelas abrem mais de 10 centímetros, o que não é permitido.
    • Observar se outro adulto, além do condutor, acompanha as crianças.
    • Pedir telefone, endereço e nome completo do motorista.
    • Registrar tudo em cartório.

O Procon informa que a forma de pagamento pode ser por anuidade ou parcelada de outras maneiras. Pesquisar preço porque a variação é grande.

Somente as grandes escolas oferecem transporte. Na grande maioria, os pais precisam procurar por conta própria o serviço. As escolas desinteressam-se porque o custo de manutenção é alto, visto que precisariam registrar mais funcionários que não trabalhariam nos meses de férias. Contudo, o Procon adverte para o fato de o transporte ser optativo, mesmo que a escola ofereça o serviço ou mantenha convênio com motoristas. Atualmente, além das antigas peruas, os condutores oferecem vans e microônibus.

Em caso de dúvida ou para maiores esclarecimentos, procure o Procon de sua cidade.
* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em abril/2003)

UM PANORAMA DO ENSINO RURAL

Izabel Sadalla Grispino *

O Brasil começa a despertar para o ensino rural. Estudos vêm mostrando claras diferenças educacionais entre o campo e a cidade, mostrando que a área rural ainda é um mundo muito diferente da cidade.

Embora a população rural vem decrescendo nos últimos 30 anos, reduzida em mais de um terço, a escolaridade no campo dobrou. O número de crianças matriculadas no ensino fundamental cresceu 21%, mostrando que a escolaridade dos jovens no campo avança, mas representa apenas a metade da população escolar urbana.

O Instituto Nacional de Estatísticas (Inep) revelou dados, em setembro de 2004, que mostraram que 28% dos jovens, acima de 15 anos no campo, ainda são analfabetos – dois terços a mais do que o índice registrado nas cidades. Na cidade, em média, a população tem 7 anos de estudo. No campo, 3,4 anos. A distorção idade-série chega, no campo, a 65% das crianças matriculadas. Na cidade, é de 50%.

Um estudo feito no mesmo ano pelo grupo permanente de educação do campo do Ministério da Educação (MEC) revela o quanto o ensino rural necessita de assistência por parte governamental. Uma grande parte das escolas rurais funciona em precárias condições, com um mínimo de qualidade e sem meios de atender a toda população, embora concentre mais da metade das escolas brasileiras, 97 mil de 169 mil existentes.

Mais da metade das escolas possui apenas uma sala de aula e 64% são multi-seriadas, nas quais se concentram alunos de várias séries numa mesma sala, com apenas uma professora. Para completar a deficiência do ensino, o estudo constata que boa parte dos professores, que ensina no campo, tem formação inadequada. Permanecem nas escolas até completarem sua formação, quando então pedem transferência para a cidade, onde ganham mais. Apenas 9% dos professores têm ensino superior completo.

A oferta de vagas para as crianças de 4 a 6 anos é apenas de 25% da sua necessidade. O atendimento na pré-escola e no ensino médio é bem pior, está muito abaixo do necessitado, apenas 4,5% dos estudantes encontram vagas.

O censo escolar de 2002 mostrou que 94% dos estudantes do ensino médio, que moram na área rural, estudam nas cidades e se valem de um transporte escolar. Muitos alunos acabam evadindo-se da escola ou migrando para a cidade. O censo do IBGE de 2000 encontrou 690 mil adolescentes entre 15 e 24 anos, vindos do campo, morando em cidades.

Em agosto de 2004, no 2.º Encontro sobre Educação no Campo, realizado em Brasília, a migração para a cidade foi um dos problemas apontados. O relatório do evento apontou a necessidade de adaptação do currículo para as necessidades do campo, respeitando os períodos mais sobrecarregados, como, por exemplo, o da safra, o do plantio, incluindo conhecimentos típicos das atividades rurais.

Além da adaptação do currículo às atividades rurais, seria interessante levar ao cotidiano das populações rurais, através da escola, ciência e tecnologia ao alcance dessa população. Exemplos desse tipo de tecnologia são os elencados no programa que cria a rede de tecnologias sociais, como: soro caseiro, que já salva a vida de milhares de crianças por todo o País. A construção de cisternas e de unidades de tratamento de água, articulada à higiene e à produção de hortaliças e legumes. As famosas barraquinhas de captação de água das chuvas, evitando erosão, enchentes e assoreamento. As águas captadas alimentam o lençol freático e tornam perenes rios e córregos temporários.

A escola, voltada às necessidades e aos interesses dos habitantes do campo, conquista essa população e atua com mais propriedade. O Instituto Nacional de Estatísticas e Pesquisas em Educação (Inep) nos forneceu o seguinte quadro comparativo entre ensino rural e ensino urbano:

Anos de estudo – população com 15 anos ou mais:

Área urbana, 1971 = 4,1; 2001 = 7,0;

Área rural, 1971 = 1,2; 2001= 3,4.

Analfabetos – população com 15 anos ou mais (%):

Área urbana, 1971 = 22,1; 2001 = 9,5;

Área rural, 1971 = 55,6; 2001 = 28,7.

Matrículas no ensino fundamental (milhões):

1971 – área rural = 5,1; população rural = 41,1;

2001 – área rural = 6,2; população rural = 27,2.

Escolas com uma sala (%)

Área urbana, 1971 = 28,9; 2001 = 0,8; 2003 = 0,9;

Área rural, 1971 = 80,7; 2001 = 53,9; 2003 = 49,9.

O entendimento sobre a necessidade de escolaridade nos dias de hoje alastra-se para os quatro cantos do mundo. Felizmente, esse entendimento chegou à população rural, onde os pais começam a perceber que se os filhos não estudarem vão ter uma vida igual ou pior que a deles. Pouco a pouco, caminha-se para a redenção!

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em maio/2005)

ALUNO SUPERDOTADO

Izabel Sadalla Grispino *

A escola nem sempre está preparada para exercer bem suas amplas funções. Na semana passada, falei da dificuldade no atendimento à criança hiperativa.

Um outro aspecto, que vem despertando a consciência educacional, é o aluno superdotado. Para o professor perceber as características da superdotação não é tarefa das mais fáceis. Muitos não conseguem identificar esse tipo de estudante, que, por aprender com mais rapidez que o colega, se mostra desinteressado em sala de aula. Geralmente, são alunos ativos, que perguntam muito e professores confundem com déficit de atenção e hiperatividade.

Não são só os alunos deficientes que precisam de atenção especial. É preciso estender o olhar para aqueles cujo potencial está acima da média. Para tanto, os professores precisam passar por cursos que os capacitem a detectar alunos talentosos.

Diferentemente do que sempre se pensou, superdotados não são apenas alunos que tiram notas altas em todas as matérias, são alunos com altas habilidades em diferentes áreas do saber, como exatas, artes ou esportes. Um estudante pode ser ruim em matemática e ser superdotado em música, onde revela talento.

Para aprender a detectar talentos, os professores precisam estudar conceitos de inteligência, precocidade, talento e aprender a identificar as características desses alunos e a trabalhar com eles e suas famílias. “Um talento não identificado e não estimulado é um talento desperdiçado”, dizem os especialistas.

A identificação de uma criança superdotada é normalmente feita por entrevistas com a família, testes de Q.I., inteligência emocional e aptidões. A superdotação tem origem genética, mas sua característica só se desenvolve se for estimulada; se não for incentivada ela pode se perder.

Os superdotados passarão, nas escolas, por outro tipo de ensino, por aulas adicionais e suas famílias orientadas para entender o processo e colaborar com a aprendizagem. As aulas serão dadas em salas especiais, sempre em horário extra-escolar. Elas servirão para aprofundar os estudos e estimular as aptidões superiores.

É preciso, contudo não confundir superdotação com genialidade. O aluno pode ser brilhante numa única área e não ir tão bem em outras. Um gênio é sempre um superdotado, mas nem todo superdotado é um gênio. As características do superdotado são identificadas em escalas de observação de comportamento, capazes de um excelente desenvolvimento das altas habilidades desse aluno.

Foram criados pelo MEC, em 2006, Núcleos de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAH/S), que são centros de apoio a superdotados em escolas públicas.

* Supervisora de ensino aposentada.              
(Publicado em março/2007)

O NÚMERO CRESCENTE DE ANALFABETOS FUNCIONAIS

Izabel Sadalla Grispino *

A síntese do IBGE, do início do ano, chama a atenção para o elevado número de analfabetos funcionais. Refere-se a pessoas com mais de 15 anos, que estudaram menos de quatro anos e têm dificuldades para entender um simples texto, um manual de orientação. São incapazes de usar o que aprenderam na escola, de usar a leitura, a escrita, a matemática, em situações do cotidiano.

Os poucos anos de escolaridade não os tornaram capazes de assimilar e desenvolver habilidades práticas, desenvolver a capacidade de compreender e interpretar textos. Chegam, no total do País, a 29%, sendo que na região nordeste atinge 46%, no Estado do Piauí passa de 53% e, na região rural da Bahia,  chega a 73%, emperrando o desenvolvimento econômico desses Estados.

Até os anos 60, considerava-se alfabetizada a pessoa que sabia ler e escrever, ao nível necessário do seu convívio social. A partir dessa data, surge um novo conceito de alfabetização, no qual o conhecimento está atrelado ao desenvolvimento de habilidades práticas, úteis ao cotidiano. Hoje, considera-se que há diversos tipos de alfabetização relacionados às habilidades desenvolvidas pelo indivíduo, habilidades que se refletem em sua capacidade de trabalho.

Um estudo realizado pela Unesco, no ano passado, em sete países latino-americanos, revela que os brasileiros têm, em média, um nível inferior aos chilenos e argentinos, no tocante ao analfabetismo funcional. Essa pesquisa foi realizada no Estado de São Paulo e, se fosse levado em conta o País todo, o resultado seria muito pior, observa a educadora Vera Maragão Ribeiro.

Nos exercícios de prosa, como na compreensão de um simples aviso, os brasileiros tiveram o pior rendimento entre os sete países: Argentina, Chile, Colômbia, México, Venezuela e Paraguai, incluindo o Brasil. O rendimento dos brasileiros em matemática foi semelhante ao de prosa e tem um índice que gira em torno de 0,05, ou seja, abaixo da média.

A pesquisa mostra que o problema é mais complexo do que as campanhas e os programas de alfabetização, concluiu Vera. “O desafio que se impõe continua sendo a falta de um ensino de qualidade”. As reformas do ensino, propostas pelo MEC, não estão chegando adequadamente às escolas e assim não processam as transformações desejadas. Idealizam-se grandes mudanças, mas esquecem-se de sua preparação no tocante à prática de ensino, esquecem-se da necessidade de trabalhar a mentalidade educacional do professorado, que muda bem mais devagar que os princípios inovadores. É preciso cuidar dos professores  se realmente se quer inovação.

A escola passa por uma crise no processo pedagógico; tem dificuldade em encontrar uma resposta técnica para os novos problemas trazidos pelos alunos, em decorrência da nova transformação social. Os problemas sociais se alastram, o ensino fundamental vem se universalizando, colocando na escola alunos dos diferentes extratos sociais. As salas de aula vão se avolumando, com superlotação e com falta de métodos apropriados para lidar com as classes numerosas.

O maior indicador dessa crise é a evasão escolar ou a aprovação generalizada, sem qualificação, mediante baixa exigência, perpetuando o analfabetismo funcional. Saber ler e escrever é o grande fator da integração e da comunicação entre os diversos níveis sociais. Diminuir a concentração de renda, tão marcante no País, manter a perspectiva de uma sociedade mais justa, passam, impreterivelmente, pela sala de aula.

A baixa qualificação do professor é um dos fatores que dificulta a melhoria do ensino, assim como o elevado número de alunos por classe. Um estudo realizado pela Unesco e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), comparando os indicadores de 47 nações, mostra que a formação do docente brasileiro está entre as piores, melhor apenas que a da China e da Tunísia. Mostra que apenas 22% dos professores do ensino fundamental têm nível superior e, no ensino médio, a taxa sobe para 56%.

O estudo conclui que a deficiente qualificação do professor somada a problemas de organização das escolas, às classes superlotadas e à elevada carga horária dos docentes, respondem pelo decadente nível das escolas públicas. Conclui, também, que os professores mais qualificados são os mais velhos.

O desencanto à carreira do magistério começa a impregnar os jovens. Há um certo descrédito quanto às políticas educacionais que não vêm prevendo a demanda futura. Ao descuidar, no presente, das condições efetivas de um bom trabalho docente, só fazem prejudicar as perspectivas futuras. De acordo com o estudo, no ensino fundamental, cada professor tem, em média, 34 alunos e no ensino médio, 39, quase o dobro da média dos países pesquisados, que têm 21 alunos por professor. O número excessivo de alunos, avalia o estudo, prejudica o trabalho do professor e, conseqüentemente, a qualidade do ensino.

A crise da escola pública vem se alongando, criando, nos jovens, uma imagem negativa, que buscam descartar o magistério como profissão. Esse fato começa a preocupar os estudiosos da educação, que prevêem uma possível falta de pessoal para lecionar, no dia de amanhã.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em setembro/2001)

A MÚSICA COMO RECURSO DIDÁTICO NAS ESCOLAS

Izabel Sadalla Grispino *

Um acontecimento pessoal aproximou-me do coral Madrigal Revivis da USP/Ribeirão Preto. Sou autora, letra e música, do “Hino do Centenário da Igreja São Mateus”, Igreja-matriz de Guariba. O coral esteve presente à missa solene, realizada em comemoração ao centenário da Igreja. Entre outras peças, que abrilhantaram a apresentação, o coral cantou, com extraordinária beleza, o Hino, em quatro vozes, num arranjo do talentoso José Gustavo Julião de Camargo, integrante do coral.

Conheci, na ocasião os componentes do coral, a figura exponencial de seu diretor artístico e regente titular, o maestro Sérgio Alberto de Oliveira, uma pessoa que traz a música na alma. O coral como um todo falou-me; cativou-me pelo profissionalismo, pela arte, pela técnica, pela afetividade. Constatei a presença de jovens formandos, lutando pela afirmação no mercado de trabalho, mas colocando em peso de igualdade o ideal, o deleite pela música. O coral é um misto de pessoas jovens e de mais idade, prevalecendo o aspecto jovem. Jovens que são exemplo, que são alento, que batalham para difundir o belo, difundir o bem, povoar o mundo de sentimentos de paz, de solidariedade que a música inspira, que propiciam, com suas lindas vozes, o cultivo da espiritualidade, espalhando cultura humanística.

O Coral Madrigal Revivis, do campus, em 20 de novembro de 1999, venceu o Mapa Cultural Paulista, o mais importante concurso do Estado. Foi o primeiro coral da região a receber o prêmio, ofertado anualmente pela Secretaria Estadual da Cultura, em que participam centenas de cidades. Ele é, sem dúvida, um patrimônio cultural que orgulha a cidade de Ribeirão Preto.

A música vem, com força, sendo redescoberta em seus variados ângulos, exaltada como portadora de equilíbrio. Nos hospitais é cada vez mais recomendada, como terapia aos doentes. A música acalma, suaviza a dor, incentiva a capacidade de sonhar, abre as portas da esperança. Ela se encarrega de levantar o astral do doente, encorajando-o à recuperação.

Nas escolas, um fundo musical nas salas de aula, em determinadas situações – com  peças clássicas, suaves, peças inesquecíveis de Mozart, Schubert, Chopin, Beethoven, Mendelssohn, Handel, Villa-Lobos entre outros – educa para a música, sugere, desperta o sonho, a criatividade, a imaginação, trabalha a alma, ajuda na concentração, na elaboração de textos e de poemas. A poesia é um outro valioso recurso didático de que a escola deve se apropriar. Enseja ao aluno externar seus sentimentos, expor sua visão de mundo.

Já há experiências pedagógicas concretas da utilização da música, em formação de corais, para a recuperação de alunos rebeldes, dispersos, problemáticos. Os alunos se envolvem na atividade, se entusiasmam pelo protagonismo nas apresentações, quer na escola, quer na comunidade e passam a ser mais responsáveis. O prazer da música contamina e traz o prazer de estudar; muda o ambiente e a aprendizagem melhora gradativamente.

A música na escola não se constitui mais em uma disciplina específica como era antigamente, mas há várias maneiras de introduzi-la no currículo, de abrir-lhe um espaço, em trabalhos individuais ou coletivos, isolados ou interdisciplinares. A escola deve, inclusive,  voltar, através dela, a desenvolver o sentimento cívico, o amor à pátria, fazendo os alunos cantarem os hinos pátrios.

A música, segundo recentes descobertas, não é privilégio do gênero humano. A revista Science publicou resultado de pesquisas assinalando de que no reino animal o gosto pela música existe há dezenas de milhões de anos. Há um instinto musical que antecedeu, em muito, a raça humana e pode estar bastante difundido na natureza, diz a revista.

A biomusicologia estuda o papel da música em todas as coisas vivas. Mostra não ser privilégio dos seres humanos a habilidade de compor música; um certo número de animais produz música e não apenas sons e trinados esparsos ou cacofonia. Uma análise de melodias entoadas por pássaros e baleias corcundas – também chamadas jubartes – mostrou que esses animais convergem para as mesmas opções acústicas e estéticas e seguem as mesmas leis de composição melódica proferidas pelos humanos. Dizem os pesquisadores que as jubartes machos usam ritmos como os encontrados na música humana e frases musicais de duração similar. As baleias têm um alcance vocal de no mínimo sete oitavas, mas tendem a cantar cadenciadamente, com intervalos musicais, ao invés de passar rapidamente de uma oitava para outra, ou seja, cantam dentro de uma clave. Outro fato impressionante é que as músicas das jubartes têm refrões e rimas.

Os pássaros também compõem músicas com as mesmas notas, variações rítmicas, padrões harmônicos e relações de tons encontrados em composições humanas. O tordo-eremita canta na chamada escala pentatônica, na qual as oitavas são divididas em cinco notas. A corruíra-do-brejo da Califórnia, canta até 120 temas, em uma única “sessão”, com cada tema repetido por seu vizinho imediato, numa espécie de diálogo sonoro.

Alguns pássaros usam até instrumentos, escrevem os pesquisadores. A cacatua da Austrália escolhe um tronco de árvore com determinada ressonância e em seguida arranca um de seus galhinhos para usar como baqueta.

Se há um instinto musical, se a música é inerente ao ser humano, à natureza, ela deve se constituir em força propulsora de sublimes realizações.

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em janeiro/2001)

A PRESENÇA DOS PAIS NA ESCOLA

Izabel Sadalla Grispino *

Cada vez louva-se mais a participação dos pais na vida escolar. Diante da atual conjuntura social, da rebeldia e violência juvenil que reinam na sociedade e que acabam por se infiltrar nas escolas, diante da dificuldade organizacional por que passam as instituições públicas, por falta de recursos humanos e financeiros, a presença dos  pais e de voluntários da educação, vem sendo vista como de alta valia.

 

Leia Mais

A INCLUSÃO DIGITAL

Izabel Sadalla Grispino *

As novas tecnologias são ferramentas importantes para a escola atingir a modernidade. Contudo, o que se constata é uma forte resistência em utilizá-las, aproveitá-las, dando mais sentido à aprendizagem.

 

Leia Mais

A JUVENTUDE BATE À PORTA DE DEUS

Izabel Sadalla Grispino *

A violência juvenil disseminada por toda parte, as apreensões, os estremecimentos, levam a conjeturar sobre o futuro da juventude. Assusta-nos ver transitando pelo mundo uma população jovem transviada, desenfreada, perdendo, para as drogas, a capacidade de viver, de sonhar.

 

Leia Mais


Reconhecimento

Premiado pelo Buscaki

buscaki

I.S.G

izabel1

Colaboração

Slideshow Image 1

Novos Jogos

eduespc

Vídeos

videos

Visitante Número